30.1 C
João Pessoa
28.9 C
Campina Grande
19.5 C
Brasília

Banco Central olha cada vez mais para inflação de 2022, diz Campos Neto

Segundo ele, a contaminação da pressão inflacionária recente nas expectativas para o próximo ano não é estrutural, mas temporária. Campos Neto atribuiu a maior parte do movimento à alta nos preços das commodities

LARISSA GARCIA

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) – O presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, afirmou que a autoridade monetária olha cada vez mais para a inflação de 2022 dentro do horizonte relevante, período para quando o BC entende que a política monetária faz efeito.

Leia Também

“Reconhecemos que houve contaminação da inflação deste ano nas expectativas e por isso que decidimos fazer um movimento maior que o esperado pelo mercado [de alta da taxa básica de juros, Selic]. Não miramos no curto prazo, temos um horizonte para o que fazemos ter efeito, olhamos para 2022 cada vez mais”, disse em entrevista à Bloomberg TV na noite desta terça-feira (13).

Segundo ele, a contaminação da pressão inflacionária recente nas expectativas para o próximo ano não é estrutural, mas temporária. Campos Neto atribuiu a maior parte do movimento à alta nos preços das commodities.

Sobre o câmbio, o presidente da autarquia afirmou que a moeda brasileira ficou estável nas últimas semanas. “O importante não é o Real [para o BC], temos um sistema de câmbio flutuante, mas como isso afeta a inflação e as expectativas”, avaliou.

Na última reunião, em março, o Copom (Comitê de Política Monetária) elevou em 0,75 ponto percentual a Selic, que foi a 2,75% ao ano, como resposta à escalada de preços observada desde setembro. A magnitude da alta veio acima das expectativas do mercado.
Campos Neto reiterou que, segundo sinalizado na última decisão, o BC deverá subir 0,75 ponto percentual na próxima reunião, em maio.

“Não vemos nada diferente de 0,75 ponto [na próxima reunião], que foi o que indicamos, a não ser que algo extraordinário aconteça, mas nada foi escrito em pedra, podemos enfrentar condições diferentes até lá”, pontuou.

Questionado sobre os efeitos de ruídos políticos na economia e sobre a coordenação entre o BC, o ministro da Economia, Paulo Guedes, e o presidente Jair Bolsonaro (sem partido), Campos Neto afirmou que a autoridade monetária está alinhada à pasta, mas não mencionou Bolsonaro.

“A coordenação entre o Ministério da Economia e o Banco Central em tempos de crise precisa ser muito boa, estamos bem coordenados. Aprendemos com a crise de 2008 que precisamos que a política fiscal esteja alinhada à política monetária”, respondeu.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

#PUBLICIDADE#

Mais Lidas

15 possíveis temas de redação para o Enem 2022

O Portal Nacional da Educação divulgou uma lista com os possíveis temas de redação para as provas do Exame...

DATAVOX: João Azevêdo lidera com 40,7% das intenções de voto na 1ª pesquisa para governo da PB em 2022

Realizada em parceria entre o Instituto Datavox e o portal PB Agora, a pesquisa aponta o deputado federal Pedro Cunha Lima (PSDB) em segundo lugar, com 14,2%. Em seguida vem o senador Veneziano Vital (MDB), com 6,6%, o ex-prefeito de João Pessoa, Luciano Cartaxo (PT) com 5,9%, Nilvan Ferreira (PTB) com 3,2% e a vice-governadora do estado, Lígia Feliciano (PDT) com 1%. Indecisos somam 20,3%, enquanto brancos e nulos representam 8,1%.

Vídeo: Presidente da Assembleia de Deus em Campina Grande chama fiéis de “lixo”

Mulheres cristãs que usam brinco e calças apertadas são um "lixo", pelo menos na visão do pastor e presidente da Assembleia de Deus em...

Juliette vira personagem de jogo online desenvolvido por estudante paraibano

“Tenho trabalhado cerca de 6 horas por dia no jogo, todos os dias. Criando o conceito, desenhos, animações, programação e gravando, editando pra postar no Instagram. [Na vida real] é lógico que ela vai sair campeã da casa, a quantidade de cactos [apelido dos fãs da participante] só vai aumentar e ela vai continuar sendo o fenômeno que é, mesmo após o fim do programa”, explica o estudante. 

Paraibanos terão que pagar pedágio para entrar em municípios de PE; entenda

Após a aprovação da privatização de três rodovias estaduais pernambucanas, com previsão de cobrança de pedágio, cruzar o limite dos estados pode custar caro...
#PUBLICIDADE#

ACHAMOS QUE VOCÊ VAI GOSTAR

#PUBLICIDADE#