Documentário brasileiro ‘A Última Floresta’ é premiado no Festival de Berlim

Dirigido por Luiz Bolognesi e escrito com Davi Kopenawa, autor do livro "A Queda do Céu", o filme retrata uma aldeia ianomâmi isolada no norte do Brasil há mais de mil anos, em um território demarcado legalmente

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) – O documentário brasileiro “A Última Floresta” venceu o prêmio do público da mostra Panorama no Festival de Berlim neste domingo (20).

Em texto no site oficial do festival, a produção foi elogiada por capturar “imagens poderosas, alternando observação documental e sequências encenadas, além de paisagens sonoras densas”.

Dirigido por Luiz Bolognesi e escrito com Davi Kopenawa, autor do livro “A Queda do Céu”, o filme retrata uma aldeia ianomâmi isolada no norte do Brasil há mais de mil anos, em um território demarcado legalmente.

Leia Também

O documentário, que também integrou o festival É Tudo Verdade, mostra a tentativa dos índios de proteger suas terras e evitar a invasão de garimpeiros, que levam à aldeia doenças desconhecidas.

Em decorrência da pandemia do coronavírus, o Festival de Berlim foi dividido em duas partes este ano. A primeira, que aconteceu em março, foi virtual, e voltada somente para os profissionais da indústria cinematográfica. Então, os vencedores das principais categorias foram anunciados em uma live.

Agora, em junho, os filmes enfim foram exibidos ao público de forma presencial, em 16 locais de Berlim. As projeções, que terminaram neste domingo (20), aconteceram ao ar livre, seguindo os protocolos de segurança contra a Covid-19.

O evento aconteceu em um momento em que a Alemanha enfrenta uma melhora nos sinais da pandemia, como foi enfatizado pelo próprio festival ao anunciar sua edição presencial.

“A diminuição das taxas de incidência [da Covid] em Berlim e o sinal das autoridades locais para acompanhar positivamente o pedido de um projeto-piloto com testes obrigatórios reforçaram a decisão da gestão do festival.”

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

#PUBLICIDADE#

Mais Lidas

Juliette vira personagem de jogo online desenvolvido por estudante paraibano

“Tenho trabalhado cerca de 6 horas por dia no jogo, todos os dias. Criando o conceito, desenhos, animações, programação e gravando, editando pra postar no Instagram. [Na vida real] é lógico que ela vai sair campeã da casa, a quantidade de cactos [apelido dos fãs da participante] só vai aumentar e ela vai continuar sendo o fenômeno que é, mesmo após o fim do programa”, explica o estudante. 

Sebrae PB e prefeitura de São João do Tigre criam perfil socioeconômico e empresarial da cidade

De acordo com os dados apresentados pelo perfil socioeconômico e empresarial de São João do Tigre, o município conta com 56 empresas ativas, sendo 96% delas pequenos negócios, ou seja, microempreendedores individuais (MEI), microempresas e empresas de pequeno porte. Ainda conforme os dados, no município 56% das empresas formais são do setor do comércio, 20% dos serviços, 7% da indústria e 7% do agronegócio.

Dois anos e meio, seis concursos: obra de engenheiro

Ao anunciar o concurso da Fundação PB Saúde onde serão ofertadas 4.401 vagas para área médica e técnica, o governador enterra de vez o modelo de contratação através de organizações sociais, que até gerou bons resultados, mas desviaram recursos públicos como mostrou a operação Calvário. 

O pacote de Cícero e os reflexos políticos

Cícero era cobrado nos bastidores para apresentar algo do gênero, pois venceu a eleição, prometendo colocar a cidade no século XXI. Ao lançar o programa, mostra que se preparou nos últimos cinco meses arrumando a casa para promover os avanços esperados. 

Julian Lemos: Bolsonaro não é santo nem mito

Ele diz que o governo está afundando porque o presidente é um especialista em transformar amigo em inimigo: "Perder um Sérgio Mouro, que é um homem de bem, é um exemplo de que esse homem não tem nada de santo, nem mito", bradou o parlamentar.
#PUBLICIDADE#

ACHAMOS QUE VOCÊ VAI GOSTAR

#PUBLICIDADE#