João Pessoa 23.13ºC
Campina Grande 19.9ºC
Patos 21.89ºC
IBOVESPA 119137.86
Euro 5.7331
Dólar 5.4201
Peso 0.0059
Yuan 0.7471
2022: Sala do Empreendedor da Prefeitura de João Pessoa lidera ranking de atendimentos na Paraíba
27/12/2022 / 16:32
Compartilhe:

A Sala do Empreendedor da Prefeitura de João Pessoa registrou, em 2022, 5.304 atendimentos. A informação foi divulgada pelo Sebrae Paraíba e leva em consideração o período de 3 de janeiro a 23 de dezembro. Com a marca, a cidade lidera o ranking estadual no número de empreendedores atendidos no ano. A gestão municipal planeja ampliar ainda mais o serviço em 2023, com a realização de plantões itinerantes.

O prefeito Cícero Lucena celebrou os resultados alcançados pelo serviço, voltado à regularização de atividades, permitindo que os negócios possam avançar e alavancar a geração de emprego e renda na cidade. “Esse trabalho, com acompanhamento aos pequenos empresários, é muito importante para o desenvolvimento da microeconomia nos bairros, levando mais qualidade de vida para as pessoas, próximo de onde elas residem”, destacou.

Na Capital, a Sala do Empreendedor é um serviço oferecido por meio do programa ‘Eu Posso Crescer’, promovido pela Secretaria de Desenvolvimento Econômico e Trabalho (Sedest). Ela está disponível ao público, desde setembro de 2021, na sede da pasta, localizada na Rua Diogo Velho, nº 150, bairro do Centro. O espaço conta com um Ponto de Atendimento do Sebrae (PAS) e funciona de segunda a sexta-feira, das 8h às 13h.

O serviço tem como objetivo incentivar a legalização de negócios informais que se enquadrem nos requisitos estabelecidos pela Lei Geral da Micro e Pequena Empresa, além de facilitar a abertura de novas empresas, regularizar as atividades informais e oferecer serviços aos Microempreendedores Individuais (MEI).

“Em 2022, as principais demandas que atendemos foram referentes à emissão de nota fiscal, abertura de empresas, regularização do MEI e emissão do boleto mensal. Já quando levamos em consideração as empresas maiores, os atendimentos mais recorrentes são regularizações, como licenças sanitárias, licença ambiental e alvará de funcionamento”, explicou Matheus Gomes, diretor de Ambiente de Negócios da Sedest.

Qualidade – A marca registrada pelo serviço em João Pessoa representa 36% do total de 14.538 atendimentos contabilizados pelo Sebrae, este ano, nas 126 cidades da Paraíba que possuem salas para atender aos empreendedores. “São números importantes, que recebemos com bastante alegria. Porém, muito além de dados estatísticos, prezamos pelo atendimento humanizado, pela qualidade do serviço, para que o trabalho do nosso time seja efetivo e que as demandas dos empreendedores sejam atendidas da melhor maneira possível”, destacou Vaulene Rodrigues, secretária de Desenvolvimento Econômico e Trabalho da Capital.

E os esforços têm dado resultados positivos. No mês passado, a Sala do Empreendedor pessoense foi reconhecida pelo Sebrae com o Selo de Referência em Atendimento. A avaliação da instituição se baseou em critérios como qualidade no atendimento, gestão, ambiente de negócio, infraestrutura, oferta de soluções, presença digital e capilaridade.

No embalo das conquistas, Matheus Gomes adiantou que, em 2023, a Sala do Empreendedor pessoense deverá chegar ainda mais perto da população. “Nossa ideia é fazer ações itinerantes, levando plantões de atendimento a diversos bairros da cidade. Traçaremos uma rota, priorizando as regiões que concentram o maior número de empreendedores que buscam nosso serviço, conforme indicação do sistema do Sebrae”, acrescentou.

Desburocratização – A instalação de salas do empreendedor consta entre os eixos da Lei Geral da Micro e Pequena Empresa trabalhados pelo Sebrae junto aos municípios. Para Nelijane Ricarte, analista técnica da instituição na Paraíba, o serviço contribui para tornar o ambiente na cidade mais favorável aos pequenos negócios, inclusive, desburocratizando processos.

“As políticas públicas de desenvolvimento voltadas para micro e pequena empresas, como a Lei Geral, são movimentos importantes que demandam o engajamento dos municípios, porque facilitam a abertura de novos negócios, atraem novos investidores e possibilitam, com os empreendimentos, o surgimento de novos empregos, bem como movimentam e dão mais competitividade empresarial”, concluiu.