João Pessoa 22.13ºC
Campina Grande 19.9ºC
Patos 20.01ºC
IBOVESPA 119137.86
Euro 5.7331
Dólar 5.4201
Peso 0.0059
Yuan 0.747
Pesquisa revela os principais problemas enfrentados por empresas que atuam com comércio internacional
30/08/2021 / 10:52
Compartilhe:

Ribeirão Preto, SP 30/8/2021 –

Escassez de navios e contêineres, valores elevados do frete de importação e exportação e serviços cancelados foram os fatores apontados pela CNI

A pandemia do novo coronavírus (Covid-19), rapidamente, resultou em uma crise econômica mundial, impactando diretamente na redução da oferta de mão de obra e rupturas de cadeias globais de valor. Com a progressiva retomada da economia em diversos países houve uma disparada de encomendas por insumos e mercadorias do comércio exterior em níveis acima das projeções e da capacidade logística dos armadores e terminais portuários.

Uma pesquisa da Confederação Nacional da Indústria (CNI), realizada em julho de 2021 para mapear os problemas enfrentados desde o início da pandemia, apontou que a falta de navios e contêineres, valores elevados do frete de importação e exportação e serviços cancelados são os principais problemas enfrentados por empresas que atuam com comércio internacional.

A CNI consultou 128 empresas e associações industriais, na ocasião mais de 70% relataram ter sofrido com a falta de contêineres ou de navios e mais da metade observaram o cancelamento ou a suspensão de alguma escala de programa ou serviço regular. Os dados mostram ainda que 96% observaram um aumento no valor do frete de importação e 76% nas exportações.

Dados do Banco Central do Brasil (BACEN) de março 2020 a agosto 2021 mostraram que a taxa do dólar, que é a principal moeda do comércio exterior, também tem sido um dos grandes desafios que as empresas brasileiras buscam superar, pois no último ano e meio, já acumulamos aumento de aproximadamente 7,28%.

Cristiane Fais, consultora em logística internacional e diretora executiva da Accrom Consultoria em Logística Internacional, comenta que um novo agravamento da COVID-19 no mundo, principalmente na China também tem impactado o mercado internacional, pois o novo surto da doença no país fechou várias regiões e portos, incluindo um dos mais movimentados do mundo, causando um impedimento no abastecimento global e pressionando importadores e exportadores. “O recente fechamento do porto chinês Ningbo-Zhoushan, gerou uma fila com mais de 350 navios, e uma espera para espaço e embarque de semanas. O cenário é mais um sinal de que a desordem e aumento nos custos no transporte marítimo pode se estender até meados de 2022 ainda”, explica.

Um levantamento da Clarksons Platou Securities, mostrou que o congestionamento vem se agravando, e a capacidade ociosa chega a 4,6% da frota mundial, ante 3,5% no mês passado. “Além de ameaçar a recuperação e o crescimento econômico do país, os atrasos crônicos e a disparada dos custos, podem impedir que as demandas das empresas por novos produtos e reposição de seus estoques sejam atendidas, acarretando a falta de produtos no mercado interno e o aumento direto dos preços ao consumidor”, conclui Cristiane Fais.

Website: https://www.accrom.com.br/