João Pessoa 24.13ºC
Campina Grande 21.9ºC
Patos 29.51ºC
IBOVESPA 128293.46
Euro 5.9193
Dólar 5.4398
Peso 0.0059
Yuan 0.75
Aguinaldo diz que há convergência entre Congresso, Executivo e governos estaduais para aprovação da reforma tributária
13/02/2023 / 09:54
Compartilhe:

Em entrevista à Globonews neste domingo (12.02), o deputado federal Aguinaldo Ribeiro (PP), relator do grupo de trabalho sobre a reforma tributária na Câmara dos Deputados, disse que há um ambiente favorável para a aprovação da proposta ainda este ano.

Segundo o deputado, o tema já foi amplamente debatido no parlamento e há uma convergência entre o Congresso Nacional, Poder Executivo, governos estaduais e sociedade civil.

“Nós vivemos um momento único. Primeiro a convergência do Congresso Nacional com os governos estaduais e com o próprio Executivo, que é fundamental em uma PEC muito complexa como essa”, disse Aguinaldo. “É um tema que toda a sociedade está debatendo. Eu acredito que nós temos uma oportunidade agora no primeiro semestre. E eu só acredito numa aprovação de uma reforma tão estruturante, como é a reforma tributária, se ela acontecer no primeiro semestre de governo, e no primeiro semestre deste ano”, acrescentou.

De acordo com Aguinaldo, o objetivo é uma reforma simples, transparente, com legislação nacional, única, sem margem para insegurança jurídica e que também seja regressiva. “No Brasil nós pagamos imposto sobre imposto, um absurdo. Precisamos de um sistema tributário que promova justiça no nosso país. Tenho certeza que, apesar da complexidade, iremos avançar, porque já discutimos bastante com sociedade, setor produtivo e política. E agora não temos dúvida de que é hora de reformar o sistema tributário”, finalizou.

Aguinaldo Ribeiro já foi relator da PEC 45 e apresentou na comissão mista do Congresso Nacional, em 2021, uma proposta de mudanças no sistema tributário brasileiro. Agora, como relator do grupo de trabalho da Câmara dos Deputados sobre o tema, ele fala como os trabalhos devem seguir:

“Fizemos um trabalho ao longo dos dois anos onde discutimos na comissão mista. Apresentamos o texto. Depois, no Senado, o então senador Roberto Rocha caminhou com a PEC 110 e deixou o texto pronto. Este é o momento de resgatar esses dois textos, fazer uma avaliação e modernização. Conversar com Câmara e Senado e vai ser fundamental a condução dos presidentes das casas Arthur Lira e Rodrigo Pacheco, para que possamos caminhar em harmonia na avaliação deste texto, juntamente com o governo, com o ministro Haddad, que já demonstrou disposição e compromisso com a reforma, e com Bernard Appy. Que possamos criar um texto que seja majoritário. Podemos avançar e construir um texto atendendo a nossa federação”, declarou o relator.