João Pessoa 28.13ºC
Campina Grande 25.9ºC
Patos 33.58ºC
IBOVESPA 126391.84
Euro 5.9164
Dólar 5.4648
Peso 0.006
Yuan 0.7518
Altas do diesel tornam operação do transporte coletivo de João Pessoa insustentável
28/10/2021 / 11:35
Compartilhe:

A Petrobras anunciou no início da semana um novo reajuste nos preços da gasolina e do diesel, que começaram a valer desde terça (26). Com o novo reajuste, o diesel subiu 9,15% e já acumula alta de 65,3% nas refinarias.

O Sindicato das Empresas de Transporte Coletivo Urbano de Passageiros no Município de João Pessoa (Sintur-JP) recebeu o anúncio com preocupação,  pois as consecutivas altas do diesel têm causado prejuízos ao sistema de ônibus metropolitano de João Pessoa, complicando ainda mais a situação financeira das empresas e deixando a operação insustentável.

Só o combustível (diesel) representa aproximadamente 29% dos custos da tarifa de ônibus. Essa é a segunda maior despesa do setor.

“Esses aumentos sucessivos, no patamar que o preço do óleo diesel está hoje, representam para o transporte coletivo um risco real, tendo em vista que há quase dois anos o valor da tarifa permanece inalterado, o que compromete a sustentabilidade da operação”, declarou o diretor-institucional do Sintur-JP, Isaac Júnior Moreira.

O cálculo da tarifa de ônibus é feito com base no resultado da divisão de todos os custos do sistema de transporte coletivo, pelo número de passageiros pagantes. Atualmente, o valor da passagem na capital é de R$ 4,15.

A proposta do Sintur-JP é que o sistema encontre parceria com o poder público para enfrentar a crise econômica e não onerar o passageiro.

“Em várias cidades do país há exemplos de atitudes dos poderes públicos que possibilitam a redução de custos sobre a população que utiliza o ônibus. Há exemplos de cidades e estados que poderiam ser replicados em João Pessoa para viabilizar a manutenção do valor da tarifa para o passageiro pagante como Recife, Fortaleza, Brasília e São Paulo, que são exemplos de redução ou mesmo de desoneração tributária e implementação de subsídios para amenizar os custos do passageiro pagante. É importante que, em momentos de exceção e de extrema dificuldade, a tomada de medidas não convencionais, por parte dos poderes públicos e agentes envolvidos, na prestação de um serviço essencial como o transporte coletivo de passageiros”, finalizou Isaac.

Segundo dados da Associação Nacional das Empresas de Transporte Urbano (NTU), os sistemas de transporte público coletivo urbano de todo o país amargam prejuízos acumulados de mais de R$ 10 bilhões devido à drástica redução das receitas decorrente da queda da demanda de passageiros, agravada pela falta de medidas de socorro emergencial específicas por parte do poder público.