22.1 C
João Pessoa
22.9 C
Campina Grande
25.5 C
Brasília

BRASIL-ECONOMIA: Banco Mundial prevê Brasil entre as economias com pior desempenho na América Latina em 2021

29/03/2021 17h59

EDUARDO CUCOLO

Leia Também

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) – O Banco Mundial projeta crescimento de 3% para a economia brasileira em 2021, número próximo das estimativas do governo e do setor privado e que coloca o país entre os dez com resultados mais fracos esperados para 29 economias da América Latina e Caribe, segundo relatório divulgado nesta segunda-feira (29).

Em 2020, a economia brasileira encolheu 4,1%, a sexta menor queda e um resultado acima da média de -6,7% na região, que deve ter expansão de 4,4% em 2021, segundo o Banco Mundial. O Brasil foi o país com maior gasto para enfrentamento da pandemia, devido ao auxílio emergencial.

A América Latina e o Caribe sofreram mais danos sanitários e econômicos devido à pandemia da Covid-19 do que qualquer outra região, embora haja potencial para uma transformação significativa em setores-chave à medida que a região começa a se recuperar, diz o relatório do banco.

O número de mortes, por exemplo, cresceu quase 90% na região, o triplo do aumento verificado na média mundial, enquanto a retração econômica foi maior do que em outros blocos de países. Para 2021, não há perspectiva de um ritmo de vacinação que confira imunidade à população da América Latina neste ano, segundo o banco.

“Os danos são graves e estamos diante de muito sofrimento, especialmente entre os mais vulneráveis”, disse Carlos Felipe Jaramillo, vice-presidente do Banco Mundial para a região. “Mas devemos sempre olhar adiante e aproveitar esta oportunidade de abraçar as transformações necessárias para garantir um futuro mais brilhante”.

Para a instituição, a turbulência causada pela pandemia pode contribuir para uma maior produtividade por meio da reestruturação econômica e da digitalização. Há também oportunidades de crescimento decorrentes de inovações no setor elétrico, principalmente energia limpa.

Martín Rama, economista-chefe do banco para a região, afirma que a crise da Covid-19 terá impacto prolongado sobre as economias locais. Ele citou três questões de longo prazo.

A primeira é o fechamento de escolas por muito tempo e sem que grande parte da população tivesse acesso a meios alternativos de aprendizado. O segundo, o elevado desemprego, que se soma ao primeiro problema para gerar uma expectativa de salários piores no futuro, principalmente para as mulheres.

Uma terceira questão é o alto endividamento público e privado, que pode gerar tensão no setor financeiro e retardar a recuperação. Segundo Rama, o adiamento de vencimentos de dívidas não permite saber, por exemplo, qual a real situação das empresas da região.

Além disso, os países têm o desafio de equilibrar a situação fiscal diante da necessidade de novos gastos.

“Continuar ajudando as pessoas é necessário e, ao mesmo tempo, precisamos avançar rumo a uma consolidação [fiscal]”, afirmou Rama.

O economista-chefe afirma ainda que a América Latina adotou políticas muito fortes de contenção da pandemia em relação a outras regiões, mas que não funcionaram tão bem. Em alguns casos, por falta de infraestrutura de moradia e de suporte econômico.

Apesar das dificuldades, ele afirma que há muitas oportunidades para a região voltar a crescer, destacando os bons resultados de setores como de tecnologia e informação e financeiro.

“Mesmo em um momento em que estamos lidando com dificuldades, há boas perspectivas, e esperamos que a América Latina saiba aproveitar.”

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

#PUBLICIDADE#

Mais Lidas

Polícial Rodoviária Federal morre em Cabedelo

A policial rodoviária federal Renata Maia Pimenta, de 42 anos, morreu na noite desta sexta-feira (20) no prédio onde...

DATAVOX: João Azevêdo lidera com 40,7% das intenções de voto na 1ª pesquisa para governo da PB em 2022

Realizada em parceria entre o Instituto Datavox e o portal PB Agora, a pesquisa aponta o deputado federal Pedro Cunha Lima (PSDB) em segundo lugar, com 14,2%. Em seguida vem o senador Veneziano Vital (MDB), com 6,6%, o ex-prefeito de João Pessoa, Luciano Cartaxo (PT) com 5,9%, Nilvan Ferreira (PTB) com 3,2% e a vice-governadora do estado, Lígia Feliciano (PDT) com 1%. Indecisos somam 20,3%, enquanto brancos e nulos representam 8,1%.

Palco desaba e deixa formandos de medicina feridos na Grande João Pessoa

Duas  pessoas  foram socorridas com traumatismo craniano encefálico (TCE) após parte da estrutura de um palco desabar, no final da tarde deste sábado (21),...

15 possíveis temas de redação para o Enem 2022

O Portal Nacional da Educação divulgou uma lista com os possíveis temas de redação para as provas do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem),...

VÍDEOS: Troca de tiros é registrada durante sepultamento de líder de organização criminosa

Uma intensa troca de tiros foi registrada na manhã desta segunda-feira, dia 23, durante o sepultamento do traficante conhecido como "Cara de Chinelo", líder...
#PUBLICIDADE#

ACHAMOS QUE VOCÊ VAI GOSTAR

#PUBLICIDADE#