João Pessoa 23.13ºC
Campina Grande 20.9ºC
Patos 21.9ºC
IBOVESPA 124305.57
Euro 5.6025
Dólar 5.1645
Peso 0.0058
Yuan 0.7135
Campina Grande confirma três novos casos da Varíola dos Macacos
07/11/2022 / 16:48
Compartilhe:

A Secretaria de Saúde de Campina Grande confirmou trê novos casos da Varíola dos Macacos (Monkeypox) em residentes na cidade. Os resultados foram confirmados nesta segunda-feira, 7, através de exames laboratoriais.

 

Os pacientes são três homens e estão sendo tratados em domicílio, com monitoramento da Direção de Vigilância em Saúde e do Centro de Informações Estratégicas de Vigilância em Saúde (CIEVS). Os pacientes têm 21, 36 e 39 anos de idade e um deles apresenta comorbidades, mas estão fora de perigo.

Com estes casos, a cidade tem três confirmações para Monkeypox e 21 suspeitas, além de 13 casos descartados e outros quatro em investigação. “Os novos diagnósticos exigem uma maior atenção, mas não significa dizer que temos uma transmissão comunitária e, além disso, trata-se de uma doença em que é possível prevenir de diversas formas”, disse o diretor de Vigilância em Saúde do Município, Miguel Dantas.

Em Campina Grande, as unidades de referência para atendimento e testagem para pacientes com suspeita da Monkeypox, são as Unidade de Pronto Atendimento Dr. Adhemar Dantas (Dinamérica) e Dr. Maia (Alto Branco). No caso de haver a necessidade de internação, as referências são o Hospital Universitário Alcides Carneiro (HUAC) para adulto e criança e o Instituto de Saúde Elpídio de Almeida (ISEA) para gestantes.

Para a abordagem a casos suspeitos, é indicado o uso de Equipamentos de Proteção Individual, como máscaras e luvas. Caso o paciente esteja com sintomas da Monkeypox, também deve procurar utilizar meios de evitar a transmissão da doença. Para ser considerado um caso suspeito da Monkeypox, é necessária a presença de sintomas como início súbito de lesão em mucosas e/ou erupção de pele aguda sugestiva para a doença, única ou múltipla em qualquer parte do corpo (incluindo região genital/perianal, oral) e/ou dor na região do ânus ou reto com ou sem sangramento e/ou edema peniano associados à progressão da lesão já podem configurar alerta para a doença.

Outros critérios como exposição próxima e prolongada, sem proteção respiratória ou contato físico direto, incluindo contato sexual, com parcerias múltiplas e/ou desconhecidas ou com caso provável ou confirmado de Monkeypox nos 21 dias anteriores ao início dos sinais e sintomas elevam o risco de contágio e a pessoa passa a ser um caso provável da doença. Não é necessária a existência de histórico de viagem ao exterior pela pessoa com suspeita nem pelo caso provável ou confirmado com o qual ela teve contato.