João Pessoa 24.13ºC
Campina Grande 23.9ºC
Patos 31.95ºC
IBOVESPA 128212.37
Euro 5.5463
Dólar 5.1021
Peso 0.0058
Yuan 0.7062
Casamento LGBT, privatizações e armas: veja como pensam os candidatos ao Governo da Paraíba sobre temas polêmicos
24/09/2022 / 05:00
Compartilhe:

A menos de dez dias do primeiro turno das Eleições 2022, cerca de 20% da população paraibana apta a votar ainda não decidiu o melhor representante para Governo do Estado, ou optou pelo voto branco ou nulo.

A falta de alinhamento com as propostas de algum dos oito candidatos, a descrença no sistema político ou até o desconhecimento sobre o que defendem os partidos contribuem para esse dado.

Para ajudar os eleitores da Paraíba a escolherem um nome entre os pleiteantes ao Palácio da Redenção, o portal F5 Online fez um levantamento sobre como pensam os candidatos e seus respectivos partidos acerca de temas sociais sensíveis.

As pautas analisadas foram: a legalização do uso da Cannabis, o posse de armas pela população, a descriminalização do aborto, o casamento entre pessoas do mesmo sexo, a redução da maioridade penal, a privatização de empresas públicas, as cotas em universidades, a educação sexual nas escolas e a fusão entre religião e política.

O F5 Online também levantou em que espectro político cada um dos partidos dos candidatos está: extrema-esquerda, esquerda, centro-esquerda, centro, centro-direita, direita ou extrema-direita. Também foi avaliado como os partidos se apresentam, de acordo com a filosofia política: conservador, progressista ou neutro. 

“Defendo, milito e luto e tenho um partido que abraça a luta das mulheres. Defendo a descriminalização do aborto, pois a mulher deve ter direito sobre o seu corpo”. 

Adjany Simplício (PSOL)

“É preciso estatizar porque o transporte público é precário, não atende às necessidades dos usuários, como também não atende à necessidade da classe trabalhadora”.

Antônio Nascimento (PSTU)

“A liberação cada vez maior de armas vai de encontro ao que pensamos, queremos pessoas com acesso a políticas públicas e educação, não a armas”. 

João Azevêdo (PSB)

“O que não estiver funcionando, vamos mandar privatizar. Se a Cagepa não estiver suprindo a necessidade dos paraibanos, vamos avaliar”.

Major Fábio (PRTB)

“Eu defendo a liberdade de escolha de cada um. Se uma mulher quiser comprar uma arma para se defender, ela deve poder comprar dentro da legalidade e de todos os trâmites necessários”.

Nilvan Ferreira (PL)

“Cannabis medicinal – um preconceito não pode ser maior do que o direito que um paciente tem de se tratar. É uma questão de evidência farmacêutica. Que se corrija essa aberração”.

Pedro Cunha Lima (PSDB)

“[a flexibilização das regras da posse e do porte de armas] poderia estimular uma carnificina avalizada pelo Estado brasileiro”.

Veneziano Vital (MDB)

É importante pontuar que a classificação de tais temas, espectros e filosofias foi colocada nesta matéria baseada em declarações públicas dos representantes dos partidos na imprensa, nas redes sociais ou em suas páginas oficiais na internet. 

A opinião pessoal dos candidatos sobre cada um dos temas não foi exposta em todos os casos. Portanto, a identificação se dá baseada no direcionamento de cada partido. 

A escala do espectro político está baseada no artigo “Posicionamento dos partidos políticos brasileiros na escala esquerda-direita”, da Revista Brasileira de Ciência Política.