João Pessoa 22.13ºC
Campina Grande 20.9ºC
Patos 20.96ºC
IBOVESPA 128293.61
Euro 5.8516
Dólar 5.4398
Peso 0.0059
Yuan 0.7489
JÚLIA: Padrasto tem prisão preventiva decretada e vai para o Róger; corpo da menina segue no IPC
13/04/2022 / 09:46
Compartilhe:

O corpo apontado como sendo da menina Júlia dos Anjos Brandão, de 12 anos, que desapareceu na quinta-feira (7), em João Pessoa, se encontra no Instituto de Polícia Científica (IPC) da capital, onde passa por exames de DNA e sexológico. Ainda não há previsão para liberação do corpo. Segundo o IPC, devido ao avançado estado de decomposição, serão necessários procedimentos mais complexos para os exames periciais.

O suspeito do crime, Francisco Lopes passou por uma audiência de custódia na manhã desta quarta-feira (13), onde foi determinada sua prisão preventiva. Ele agora vai para o Presídio do Róger, em João Pessoa.

O padrasto da criança confessou a autoria do crime por esganadura, nesta terça-feira (12), e apontou o lugar onde escondeu o corpo. Agentes da Polícia Civil foram até o local, na região da Praia do Sol, e encontraram o corpo da vítima jogado em um poço com cerca de dez metros de profundidade.

Garota de apenas 12 anos foi encontrada morta nesta terça-feira (12), em um reservatório de água na região da Praia do Sol, em João Pessoa – Foto: Reprodução/redes sociais

Em depoimento ao delegado Hector Azevêdo, responsável pelo caso, Francisco disse que a mãe de Júlia estava grávida dele, e a menina não estaria aceitando a situação. Por isso, o suspeito teria cometido o crime.

“Ele afirmou que, como sua companheira tava grávida dele de dois meses e a menina não aceitava, ele temia que Júlia pudesse fazer algum mal a bebê e a mãe. E isso teria motivado ele a cometer o crime”, informou Hector.

No IPC, o exame de DNA busca confirmar se o corpo encontrado é realmente de Júlia e o sexológico deve indicar se ela também foi vítima de crime sexual. O suspeito nega que tenha cometido abuso sexual.

Sepultamento

Segundo familiares da garotinha, em razão do avançado estado de decomposição não haverá velório. O corpo deve ser encaminhado à um cemitério de João Pessoa após a liberação, onde acontecerá o sepultamento.