Ciência e tecnologia criam o dinheiro, afirma presidente de fundação de pesquisa

Marco Antonio Zago, presidente da Fapesp, critica os cortes de recursos na ciência e educação e defende que governantes passem a olhar para o conhecimento científico como fonte de riqueza

EVERTON LOPES BATISTA

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) – O médico e cientista Marco Antonio Zago, presidente da Fapesp (Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo), tem experiência com atuação na construção de políticas científicas para o país há mais de uma década.

Leia Também

Na chefia da instituição que é hoje uma das principais financiadoras de ciência do país, Zago critica os cortes de recursos de ciência e a educação e defende que governantes passem a olhar para o conhecimento científico como fonte de riqueza. Para ele, ciência e tecnologia podem dar um futuro para o país em meio a um período de incertezas.

Em entrevista por videoconferência, ele falou sobre sua visão para a ciência brasileira e sobre a atuação mais recente da Fapesp, que completa 60 anos em 2021.

Pergunta – Quais os pilares da atuação da Fapesp nos últimos anos?

Marco Antonio Zago – A Fapesp acabou se tornando a principal agência financiadora de ciência no país. A estabilidade que a Fapesp tem permite fazer planos de longo prazo. Podemos planejar o futuro e fazer programas que demoram para ser desenvolvidos. Faz quase 20 anos que a Fapesp mantém um conjunto de centros de pesquisa com financiamento estável voltado para temas importantes, como a terapia celular ou uso da genômica na medicina.

Além disso, a fundação emprega cerca de 30% de seu orçamento para a formação de recursos humanos, com bolsas de iniciação científica, mestrado, doutorado e pós-doutorado. Nos últimos anos, a Fapesp passou a fazer outro tipo de financiamento, também importante, voltado para a inovação, para produtos de emprego mais imediato.

Ela atua ainda na ciência básica. É aquela ciência que se nós não apoiarmos ninguém mais vai apoiar; é a nossa missão. Se o pesquisador tem um projeto para estudar a origem do Universo e os cientistas que analisam o projeto acham que o projeto é bom e vale a pena, nós financiamos.

Como foi a atuação da Fapesp durante a pandemia?

MAZ – No início, nossa primeira ação foi chamar pesquisadores que já tinham projetos com a Fapesp para pesquisar sobre a Covid-19, e alguns projetos foram liberados em 15 dias. Depois, apoiamos empresas inovadoras e startups. Financiamos os testes clínicos da Coronavac e ainda financiamos outras pesquisas relacionadas às vacinas contra a Covid.

É importante notar que a Fapesp já vinha financiando um bom número de pesquisas sobre vírus como dengue, zika etc. Quando a Covid, que é uma virose, chegou, a resposta foi rápida. Foi assim que tivemos um sequenciamento rápido do vírus aqui no Brasil.

O laboratório, os pesquisadores e a rede de colaborações entre os cientistas já estavam disponíveis, a infraestrutura preparada anteriormente com apoio da fundação permitiu essa resposta.

Em 2020, um projeto de lei encaminhado pelo governo de João Doria (PSDB-SP) à Assembleia Legislativa previa a retirada de recursos das universidades estaduais e da Fapesp (PL 529/2020). O projeto inicial determinava que o superávit financeiro das autarquias e fundações fosse transferido ao final de cada exercício ao tesouro estadual, o que poderia ameaçar os projetos de pesquisa mais longos. Depois, o projeto foi aprovado, mas poupando os recursos da Fapesp.

Como o sr. viu esse movimento do governo?

MAZ – A origem foi uma preocupação do governo com queda de arrecadação e falta de recursos que poderiam vir com a pandemia. Isso não é novidade; desde que eu acompanho a vida da fundação, há tentativas de manobrar recursos para outras finalidades, o que nunca se concretizou.

O governo do estado, de uma forma ou de outra, sempre respeitou esse limite porque a Fapesp é vista como um patrimônio da população paulista. Esses movimentos fazem parte da história. O governador apoia a Fapesp e garantiu que não teremos interferências nos recursos.

Temos uma fuga de cérebros hoje, com jovens capacitados escolhendo ir embora do país. O que pode ser feito para reverter essa situação?

MAZ – A perda desses jovens traz prejuízo enorme para o país. Eles não fazem isso por egoísmo, mas o panorama está ruim. A economia ainda está muito embaçada; não há evidência clara de que iremos recuperá-la.

A vida nas universidades também está se tornando muito difícil, principalmente fora do estado de São Paulo. Existe desânimo e falta de recursos, e não tem perspectiva de melhora. Os jovens podem pensar que ficando aqui estariam afundando suas vidas.
Essa perda se dá ao longo do tempo. Vamos perdendo qualidade, perdendo profissionais, e logo não teremos mais gente pensante nas universidades e nas empresas tecnológicas.
Como mudamos? Precisamos transformar a perspectiva da economia do país. As principais perdas de recursos dentro do governo federal atingiram ciência, tecnologia e educação. Ora, sem ciência e tecnologia não há futuro para o país.

Os governantes devem adotar novas políticas de apoio para garantir o futuro. Não adianta ficar o tempo todo preocupado com manobras econômicas, primeiro precisamos criar o dinheiro, e o que cria o dinheiro é a ciência e a tecnologia, é a competição nessa área.

RAIO-X

Marco Antonio Zago, 74
Presidente da Fapesp, é formado em medicina pela Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo e pós-doutor pela Universidade de Oxford, no Reino Unido. Foi reitor da USP, presidente do CNPq e secretário estadual de Saúde de São Paulo.

#PUBLICIDADE#

Mais Lidas

WILLOW e Avril Lavigne celebram o pop punk dos anos 2000 no clipe de ‘G R O W’

Com 2 minutos e 9 segundos de duração, o vídeo traz as artistas celebrando o direito a confusão e ao amadurecimento, enquanto viram gigantes e dominam as ruas de um bairro. "Estou tão animada por ter uma música no álbum com Avril Lavigne. Ela é tão icônica. Dos 13 aos 16, ela era meu ídolo. É muito bom poder ter um verdadeiro álbum Pop Punk com a rainha do Pop Punk", disse a artista em entrevista de divulgação. A estética e sonoridade pop punk e rock expressos por WILLOW em 'Lately I Feel EVERYTHING' canalizam os heróis que a jovem ouvia na adolescência, como Lavigne, My Chemical Romance e Paramore. O disco evidencia a versatilidade e rebeldia da "filha de Will Smith", que já dominou as paradas pop mainstream no início da carreira e passeia com fluidez do new age ao punk e R&B.

Hospital Napoleão Laureano fornecerá 1000 mamografias à população durante o Outubro Rosa

O diagnóstico precoce é um importante caminho para prevenir e salvar vidas e o Hospital Laureano, o maior centro de tratamento oncológico da Paraíba, tem uma atenção ainda mais reforçada durante a campanha do Outubro Rosa. 

Celeiro Espaço Criativo terá o nome do cantor Gabriel Diniz e inaugura memorial em homenagem ao artista

A cerimônia contará ainda com a abertura de uma exposição fotográfica que relembra a trajetória do cantor, que faleceu em maio de 2019. Intitulada "A Intensidade do ser: Gabriel Diniz", a mostra trará, além de imagens, objetos pessoais do cantor, para relembrar ao público traços da vida pessoal e profissional do artista. O evento está marcado para acontecer a partir das 17h, no Celeiro Espaço Criativo, situado à Rua João Cirilo da Silva, 850, no Altiplano. A exposição acontece paralelamente à inauguração de um memorial em homenagem ao cantor, que faleceu no dia 27 de maio de 2019, vítima de um acidente aéreo na região de manguezal de Porto do Mato, próximo à divisa entre Sergipe e Bahia. O evento ainda vai contar apresentações musicais do cantor Luca Bass, Banda Big Band e ainda uma apresentação especial de Brenda Victória da Silva Beltrão, 14 anos, aluna da Escola Municipal Cícero Leite.

Globo perde exclusividade de direitos digitais da Copa do Mundo de 2022

Após ir à Justiça contra a Fifa para reduzir o valor das parcelas de seu acordo de TV pela Copa do Mundo, a Globo renunciou à exclusividade nos direitos de transmissão pela internet do torneio no Qatar, que será realizado de 21 de novembro a 18 de dezembro do ano que vem. Com isso, a entidade que controla o futebol mundial tem oferecido pacotes de jogos da competição por streaming diretamente às plataformas digitais no Brasil. Youtube, Facebook e TikTok, por exemplo, já foram procurados e estudam a viabilidade do negócio. A emissora carioca continuará exibindo as partidas do Mundial na televisão aberta e no seu canal esportivo por assinatura, o Sportv. No entanto, não terá exclusividade nas plataformas digitais, seja no Globoplay (streaming) -o app tem sido uma grande aposta do grupo- ou em seus portais na internet, que transmitiram jogos ao vivo das Copas de 2010, 2014 e 2018. É a primeira vez que a Fifa assume a negociação dos direitos da Copa do Mundo com redes sociais, e o Brasil tem sido uma oportunidade para a entidade experimentar o modelo.

Rainha Elizabeth 2ª tem túnel secreto que liga palácio a bar em Londres

Recentemente, a rainha recebeu orientações médicas para reduzir o consumo de álcool. Segundo a revista Vanity Fair, apesar de a monarca ter boas condições de saúde, os médicos afirmaram que ela deveria deixar de beber seus drinks. "Disseram à rainha que desistisse de sua bebida noturna, geralmente um martíni", contou uma fonte próxima à família real britânica. "O álcool acabou. Os médicos querem ter certeza de que ela está o mais saudável possível e em forma", disse outra fonte. Segundo os dois amigos da família, a rainha poderá consumir álcool em ocasiões especiais, e a medida de cortar o consumo seria para ela se preparar para sua agenda ocupada e para as celebrações do Jubileu de Platina, em junho de 2022.
#PUBLICIDADE#

ACHAMOS QUE VOCÊ VAI GOSTAR

#PUBLICIDADE#