João Pessoa 24.13ºC
Campina Grande 23.9ºC
Patos 25.75ºC
IBOVESPA 124305.57
Euro 5.6025
Dólar 5.1645
Peso 0.0058
Yuan 0.7135
A história das gêmeas de João Pessoa
22/04/2024 / 07:25
Compartilhe:

Rafaella Catão, analista do SEBRAE Paraíba, presenteou a mim e outros colegas de um grupo de whatsapp com uma história inspiradora. 

No episódio deste domingo do programa Pequenas Empresas, Grandes Negócios, da Rede Globo, João Pessoa foi destaque com o relato do projeto Garças do Sanhauá.

Fiquei encantado e ansioso para conhecer as gêmeas Raíssa e Rossana Holanda, idealizadoras da ação..

Elas estavam inconformadas com a situação de abandono do porto do Capim onde João Pessoa nasceu em 1585. Pouca gente visitava e pouca gente conhecia o lugar. 

Então, não se tinha nem esse conhecimento de que por trás daqueles lindos prédios históricos, depois da linha do trem, existia uma comunidade com mais de 500 famílias. 

Em 2016, elas tiraram as ideias do papel, tornando-se empreendedoras sociais e criando um projeto para atrair turistas, o que resultou na mudança de vida do local. 

Além do passeio em canoas pelo rio, montaram um percurso por terra, onde turistas conhecem as casinhas do bairro ao lado da vegetação e da fauna ribeirinha. 

Tem até a apresentação de danças regionais. 

O projeto transformou o que estava esquecido em atração turística, tendo a natureza e a cultura local como protagonistas. Hoje, por ano, 1.200 pessoas visitam esta região. 

Mas, não é só isso. Esse movimento de turistas traz receita para novos empreendedores. Pelo caminho, pequenos comerciantes da comunidade, oferecem seus produtos como: Coco seco, feijão, coco verde, cocada e outros. 

Esse empreendimento, classificado no Top 10 da Expo Favela Innovation Paraíba, representa não apenas um negócio, mas também uma transformação social no Porto do Capim. 

Rossana e Raíssa estão mudando a realidade da comunidade ribeirinha, mostrando que grandes transformações podem surgir em qualquer lugar. 

A Expo Favela Innovation tem sido fundamental ao dar voz e meios a moradores de favelas, comunidades e periferias de todo o Brasil. 

Um verdadeiro exemplo que o poder público poderia copiar.