João Pessoa 27.13ºC
Campina Grande 24.9ºC
Patos 33.84ºC
IBOVESPA 121604.14
Euro 5.732
Dólar 5.2705
Peso 0.0059
Yuan 0.7278
Complexo de Patos monitora pós-alta de pacientes afetados pela forma grave da Covid
22/04/2021 / 16:39
Compartilhe:

Os pacientes que apresentaram a forma grave e foram internados com Covid-19 no Complexo Hospitalar de Patos são acompanhados e monitorados pelo ambulatório Continuar Cuidando, mesmo após a alta hospitalar.

A iniciativa do Governo da Paraíba, adotada ainda em 2020, funciona na unidade de saúde desde agosto, atendendo semanalmente essas pessoas. O Ambulatório Continuar Cuidando já atendeu cerca de 120 pacientes com sequelas nas cidades de Patos, Cajazeiras e João Pessoa.

O médico Pedro Augusto, que atua na linha de frente do setor Covid do Complexo, diz que esse acompanhamento pós-alta é muito importante.

“Uma das coisas que a gente tem que prestar bastante atenção são os efeitos futuros do Covid, pois a gente se depara muitas vezes com pacientes com déficit neurológicos, cognitivos, fraqueza muscular, dores articulares e são pessoas que não tinham isso antes da doença. E o pior de todos é o quadro respiratório crônico, essa fibrose pulmonar que o paciente pode virar um paciente dependente de oxigênio”, esclarece o médico.

Para Pedro, esse acompanhamento é fundamental, não apenas nos PSFs, mas também nos ambulatórios especializados no acompanhamento destes pacientes.

A chefe do Núcleo de Enfermagem, Sefora Cândida Vasconcelos, explica que quando o paciente recebe alta do setor de isolamento Covid, o prontuário dele é cadastrado no sistema do projeto e as informações são repassadas para uma equipe multiprofissional que vai através da telemedicina fazer a primeira triagem desse paciente e agendar o dia para o retorno.

“As consultas geralmente acontecem nas quintas-feiras no ambulatório Covid e no momento da consulta o médico identifica se há necessidade do paciente fazer algum exame como, por exemplo, uma tomografia, exames laboratoriais, ecocardiograma e o que se fizer necessário para avaliação atual do paciente. Em seguida, o médico traça a conduta necessária e encaminha o paciente de volta ao seu município”, explica Sefora.

O médico Diego Varela, responsável pelos atendimentos de pacientes pós-alta Covid no Complexo, lembra que essa doença viral, de acometimento pulmonar, pode deixar sequelas ocasionando sintomatologia respiratória grave mesmo após a alta hospitalar.

“Desta forma, esses pacientes, após o período inflamatório e mesmo após a pronta recuperação parcial ou total da sintomatologia, necessitam, após a alta, de um acompanhamento ambulatorial que lhes dê a assistência e restauração completa da saúde, não só com o acompanhamento médico, mas também fisioterápico entre outros”, afirma, complementando que no ambulatório de egressos é possível monitorar esses pacientes que já estão em casa, ajudando para que eles não necessitem de internamento posterior à alta.

“Além de reduzirmos a ocupação de leitos por uma eventual reincidência dos problemas, com o serviço do ambulatório nós ainda diminuímos de forma considerável a mortalidade destes pacientes”, finaliza o médico.