João Pessoa 25.13ºC
Campina Grande 22.9ºC
Patos 26.73ºC
IBOVESPA 124305.57
Euro 5.6025
Dólar 5.1645
Peso 0.0058
Yuan 0.7135
Continue a nadar: psicóloga desenvolve projeto para pessoas autistas e com Síndrome de Down
03/04/2023 / 19:19
Compartilhe:

Estamos reconstruindo nossas conexões sociais pós-pandemia. E esse alívio toma forma com iniciativas como a da professora e psicóloga Ana Sofia Maia. Numa piscina ao ar livre e sob o sol, ela buscou amenizar a depressão causada pelo isolamento em pessoas com Síndrome de Down ou que estão dentro do espectro autista. 

Em João Pessoa, cidade onde coordena o projeto Terapia Aquática, Sofia percebeu, ainda em 2021, as pessoas que estavam deprimidas ao seu redor. Sua preocupação logo transformou-se em ação: em 2022, convidou dois adultos com Down para nadar junto a ela e desenvolver atividades de psicomotricidade e alongamento.

 

Projeto Terapia Aquática | Foto: Arquivo pessoal Sofia Maia

“Eu comecei a pensar em alguma coisa que eu pudesse fazer, que fosse ao ar livre, que melhorasse a respiração de crianças, adolescentes, adultos, pessoas que estavam deprimidas. Fiquei pensando nas pessoas com deficiência”, lembra a psicóloga.

A primeira investida deu certo. Os novos nadadores estavam adaptados e gostando das aulas com Sofia. Aí veio o segundo passo: a professora buscou a ampliação do projeto para poder acolher mais pessoas. Apresentou o projeto ao proprietário da academia, mostrou os benefícios do espaço ao ar livre e pediu a inclusão de professores especializados para ministrar as aulas.

Projeto Terapia Aquática | Foto: Arquivo pessoal Sofia Maia

“Eu tinha feito um projeto pra dizer quais são os objetivos da natação: respiração, concentração, equilíbrio. Que isso tudo é bom para oxigenar o cérebro, adrenalina, tirar esses meninos de dentro de casa, melhorar a depressão, trazer um pouco de alegria para quem tava com tantas limitações”, contou. 

O projeto foi aceito, os professores de natação disponibilizados e, hoje, o Terapia Aquática conta com alunos que têm paralisia cerebral, autismo e Síndrome de Down. O próximo passo, de acordo com a psicóloga, é transformá-los em atletas, “para que venham a ser futuros nadadores da Paraíba”. 

Projeto Terapia Aquática | Foto: Arquivo pessoal Sofia Maia

Para todos os públicos

O projeto Terapia Aquática, que é desenvolvido na escola de natação Acqua R1, no Clube Cabo Branco, recebe todos os públicos, com e sem deficiência. “Qualquer um que quiser entrar na equipe, que esteja com problema de locomoção, problema de respiração, problema depressivo e que goste da água, a gente recebe”, explica Sofia.

A psicóloga explica que a quantidade de professores e estagiários na piscina permite que cada aluno seja atendido quase que individualmente, no seu ritmo. “A gente procura respeitar o tempo e a vontade do autista, interagir de uma maneira que eles se sintam bem num ambiente agradável, com brincadeiras agradáveis dentro da água”, diz.

Projeto Terapia Aquática | Foto: Arquivo pessoal Sofia Maia

O trabalho desenvolvido pela equipe já está rendendo frutos esportivos. Muitos alunos já estão nadando nas modalidades crawl e costas. Há pequenos campeonatos internos e cada conquista é celebrada com medalhas, música e comidas. 

“É uma parceria de muito amor, muita alegria, transformando e criando futuros atletas desse Brasil”, resume Sofia.

Projeto Terapia Aquática | Foto: Arquivo pessoal Sofia Maia

As aulas acontecem às terças e quintas pela manhã e os interessados podem entrar em contato diretamente com a escola de natação pelo WhatsApp (83) 9418-7777.