22.1 C
João Pessoa

Corte internacional condena Brasil por feminicídio cometido por ex-deputado da Paraíba

O Estado brasileiro foi condenado na Corte Interamericana de Direitos Humanos, órgão judiciário autônomo da Organização dos Estados Americanos (OEA), por um feminicídio que aconteceu em 1998 na Paraíba. Esta é a primeira vez que o Brasil é condenado por tal crime internacionalmente.

O país foi responsabilizado pela discriminação no acesso à Justiça, por não investigar e julgar com perspectiva de gênero, pela utilização de estereótipos negativos em relação à vítima e pela aplicação indevida da imunidade parlamentar.

Leia Também

Márcia Barbosa de Souza tinha apenas 20 anos quando foi morta por asfixia. No dia 17 de junho de 1998 ela se encontrou com o ex-deputado estadual da Paraíba Aércio Pereira de Lima (PFL, antigo DEM) em um motel. No dia seguinte, uma testemunha viu um corpo sendo retirado de um carro e jogado em um terreno baldio.

O então deputado negou o crime. Ele só começou a ser julgado em 2003, porque tinha imunidade parlamentar antes disso, e foi condenado apenas em 2007, nove anos depois do assassinato. Ele foi condenado a 16 anos de prisão por homicídio e ocultação de cadáver. O político morreu poucos meses depois da sentença e não chegou a ser preso. Ele foi velado no salão nobre da Assembleia Legislativa do da Paraíba.

Ex-deputado estadual da Paraíba Aércio Pereira de Lima – Arquivo/Reprodução

Na sentença, a Corte destacou que a imagem de Márcia foi questionada durante o julgamento, com suposições sobre a conduta social dela. “O defensor realizou diversas menções no curso do processo sobre a orientação sexual da vítima, um suposto vício de drogas, comportamentos suicidas e depressão. Igualmente, descreveu a Márcia como uma ‘prostituta’ e a Aércio como ‘o pai de família’ que ‘se deixou levar pelos encantos de uma jovem’ e que, em um momento de raiva, teria ‘cometido um erro’”, afirma trecho do documento.

A Corte ainda conclui que o acesso à Justiça foi negado a família de Márcia. “Tendo em vista as considerações acima, o Tribunal conclui que a investigação e o processo penal pelos fatos relacionados ao homicídio de Márcia Barbosa de Souza tiveram um caráter discriminatório por razão de gênero e não foram conduzidos com uma perspectiva de gênero de acordo com as obrigações especiais impostas pela Convenção de Belém do Pará.”

A condenação implica que o Brasil precisa divulgar a sentença e garantir que isso não irá se repetir. A Corte ainda solicita que o país crie um sistema de coleta de dados sobre violência contra a mulher, treinamento para as forças policiais e membros da Justiça, um dia de reflexão e conscientizando à Assembleia Legislativa da Paraíba sobre o impacto da feminicídio, violência contra a mulher e uso da figura da imunidade lei parlamentar e o pagamento de indenização por dano material e imaterial para a família de Márcia. A condenação foi deferida nessa quarta-feira (24).

Do Paraíba Já

#PUBLICIDADE#

Mais Lidas

MADRUGADA DE TERROR: tiroteio e correria na Praça da Paz, nos Bancários; veja o vídeo

A madrugada não foi nada tranquila na Praça de Paz, no bairro dos Bancários, em João Pessoa. Vídeos que circulam...

UNIMED nega testes da Covid para usuários do plano em João Pessoa

Em recente comunicado da Unimed João Pessoa para seus clientes, a operadora diz que há escassez de insumos necessários para realização de testes Covid....

Juliette vira personagem de jogo online desenvolvido por estudante paraibano

“Tenho trabalhado cerca de 6 horas por dia no jogo, todos os dias. Criando o conceito, desenhos, animações, programação e gravando, editando pra postar no Instagram. [Na vida real] é lógico que ela vai sair campeã da casa, a quantidade de cactos [apelido dos fãs da participante] só vai aumentar e ela vai continuar sendo o fenômeno que é, mesmo após o fim do programa”, explica o estudante. 

Unimed-JP nega suspensão dos serviços de telemedicina em sua plataforma

O presidente da Unimed João Pessoa, Gualter Ramalho, disse nesta terça-feira ao portal F5 Online que não houve suspensão nos serviços de telemedicina da Cooperativa e sim uma expansão de atendimento.  Em nota enviada à redação do F5, Gualter Ramalho diz que "Em momento algum houve suspensão ou paralisação no atendimento dos serviços de medicina pela Unimed João Pessoa". 

Nas redes, Veneziano já é candidato a governador

O vice-presidente do Senado Federal ainda não confirmou se disputará ou não o Palácio da Redenção, mas as fotos divulgadas ao lado do presidenciável Lula (PT), nesta terça-feira (25), alimentam as discussões sobre a candidatura do emedebista com possível apoio do PT. Da parte da mãe de Veneziano, a senadora Nilda Gondim (MDB), não falta torcida. Em entrevista à Rede Mais Rádio, na noite de ontem, Nilda reforçou suas apostas na candidatura do filho e disse que ele tem aval do presidente nacional da legenda, Baleia Rossi. “Nosso presidente, Baleia Rossi, torce muito por Veneziano para que ele se lance ao Governo do Estado. Veneziano sempre esteve apto para isso. Ele perdeu uma grande oportunidade em 2014 e tem um grande sonho de ser governador do Estado [...] Acredito que nos próximos dias ele define isso. Acredito que não vai demorar. Ele está mantendo os contatos que precisa manter", disse Nilda.
#PUBLICIDADE#

ACHAMOS QUE VOCÊ VAI GOSTAR

#PUBLICIDADE#