João Pessoa 21.13ºC
Campina Grande 18.9ºC
Patos 19.4ºC
IBOVESPA 128896.98
Euro 5.9176
Dólar 5.4291
Peso 0.0059
Yuan 0.7487
COVID-19: MPF vai reunir segmento de shows e entretenimentos para discutir eventos na PB
28/01/2022 / 17:16
Compartilhe:

O Ministério Público Federal (MPF), por meio da Procuradoria Regional dos Direitos do Cidadão, convocou reunião para o próximo sábado (29/1) com o segmento de shows e entretenimentos, e com a Secretaria de Estado da Saúde da Paraíba, para discutir a realização de eventos de massa que possam gerar aglomerações, tendo em vista o agendamento de vários shows e eventos na Paraíba nos meses de fevereiro e março. A reunião será virtual, a partir das 10h.

Pretende-se, ao final da discussão, enviar ao governo estadual os encaminhamentos acordados e considerações de possível alteração no decreto que limita a participação de público em eventos de massa, em razão da alta transmissibilidade da variante ômicron do patógeno causador da covid-19.

O motivo da reunião é o aumento no número de casos de covid nos últimos 15 dias no Estado da Paraíba, que levou ao incremento da procura por testes na rede pública e privada, o que pode ocasionar a demora nos resultados e afetar, inclusive, o manejo clínico dos pacientes.

Além disso, já há o aumento no número de atendimentos clínicos e hospitalares, amplamente noticiado pela imprensa e, mesmo sem impacto em maiores internações, o setor privado de saúde já sente o impacto da dinâmica hospitalar. A rede pública também informou que o Hospital Metropolitano esgotou os leitos para covid.

Na quarta-feira (26), o Observatório de Síndromes Respiratórias da Universidade Federal da Paraíba (OBSRUFPB), informou ao MPF que o número reprodutivo efetivo (Rt) da Paraíba era aproximadamente igual a 1,44. O Rt indica quantas pessoas, em média, um indivíduo infeccioso pode contagiar. Na ocasião, o professor Hemílio Coelho, coordenador do Observatório, explicou que o Rt 1,44 significa que cada 100 pessoas infectadas na Paraíba são capazes de transmitir o vírus para outras 144 pessoas. “Importante ressaltar que a variante Ômicron avança e já fez com que os patamares de infecção sejam superiores ao segundo semestre de 2021 em um período curto”, apontou o professor.