João Pessoa 24.13ºC
Campina Grande 20.9ºC
Patos 21.63ºC
IBOVESPA 127108.22
Euro 5.8968
Dólar 5.4177
Peso 0.006
Yuan 0.7446
Crianças de Lucena serão ‘revacinadas’ em um mês, diz Geraldo Medeiros; ministro da Saúde visita município
17/01/2022 / 08:20
Compartilhe:

As crianças imunizadas contra covid-19 com vacina de adulto e foras da validade em Lucena, no Litoral Norte da Paraíba, serão revacinadas com a dosagem pediátrica no período de quatro semanas, informou o secretário estadual da Saúde, Geraldo Medeiros. O Ministério Público Federal investiga o caso e definirá se foi um erro vacinal ou se existiu dolo.

Na manhã desta segunda-feira (17), o ministro da Saúde, o paraibano Marcelo Queiroga e uma comissão do MPF foram até Lucena acompanhar detalhes do caso. Queiroga disse que o presidente Jair Bolsonaro (PL) pediu atenção especial para a situação no município. “O presidente me ligou e pediu que eu viesse ao município, conversasse com as famílias para mostrar o cuidado com as crianças, evitar que aconteça outro erro vacinal”, disse Queiroga em entrevista à TV Cabo Branco.

Ao menos 60 crianças, de 4 a 11 anos de idade, tomaram a vacina de adulto da Pfizer em uma Unidade Básica de Saúde (UBS) na zona rural do município de Lucena.

De acordo com o secretário Geraldo Medeiros, a imunização aconteceu antes da chegada das vacinas pediátricas ao estado, em dezembro. Ele explicou que as crianças não apresentaram eventos adversos graves, exceto por uma delas, que teve quadro de vômito e dor no local da injeção.

“É importante que ações como essa sejam avaliadas no sentido de se evitar repetição, visto que a prerrogativa da vacinação é de responsabilidade dos municípios”, comentou Geraldo Medeiros. “Esse episódio não tem nenhuma relação com a vacinação atual, portanto os pais, mães e responsáveis fiquem tranquilos, vacinem seus filhos, porque mais de 10 milhões de crianças já foram vacinadas no mundo inteiro, sem nenhum evento adverso grave constatado. São vacinas seguras, que tem efetividade, eficácia. Vamos vacinar nossas crianças porque a ômicron está circulando pelo nosso estado”, acrescentou.