22.1 C
João Pessoa

Dilma comenta impeachment e critica PPI da Petrobras em entrevista a Mano Brown

A ex-presidente Dilma Rousseff (PT) disse que a PPI (preço de paridade de importação) praticada pela Petrobras transforma o Brasil em “paiseco exportador”. A petista criticou o fato de o presidente Jair Bolsonaro (PL) culpar a empresa pela alta dos preços da gasolina e do diesel.

Dilma participou do podcast “Mano a Mano”, apresentado pelo cantor Mano Brown, em episódio que foi ao ar nesta 5ª feira (28.abr.2022) no Spotify.

Leia Também

A petista disse que o Brasil “não é um país qualquer”, mas um que tem riquezas como “petróleo, capacidade agrícola imensa, minérios (…) e capacidade industrial”.

A ex-presidente falou sobre a descoberta do pré-sal em governos petistas. Em seguida, disse que “eles” implementaram a PPI em 2016, algo que está “tirando dinheiro dos brasileiros”.

“O mercado é brasileiro, a reserva é brasileira, quem é dono da reserva? Cada um de nós, porque a Petrobras é estatal, é uma empresa pública”, falou. “A minoria [dos acionistas] é de investidores internacionais, que ganham uma banana de dinheiro com isso [PPI].”

A política de paridade de preço, segundo a petista, transforma o Brasil em “um paiseco exportador de commodities”.

Dilma declarou que não tem sentido Bolsonaro culpar a Petrobras pelos preços dos combustíveis. “É bom lembrar que o presidente da República nomeia toda a diretoria (…), sem exceção, e tem a maioria do conselho de administração. Ele não manda na Petrobras?”, declarou.

IMPEACHMENT

Dilma falou que “levou um golpe” porque “representava um projeto” de inclusão social no Brasil. A petista disse não ter mais pretensões eleitorais e que, por isso, pode dizer o que pensa. “Eu não quero o compromisso eleitoral porque eu quero falar as coisas que eu acredito”, falou.

A ex-presidente afirmou adorar “falar de pedalada fiscal”. Segundo ela, “havia uma certa dificuldade” para acusá-la “de corrupção ou de alguma coisa” quando era presidente. A petista afirmou estar “gastando muito” com programas sociais e educação.

“Primeiro o Tribunal de Contas questiona coisas que não tinha questionado em nenhum governo anterior”, disse. Segundo ela, existiu um “uso político das acusações” para “desestabilizar o governo” ao “criminalizar o exercício do Orçamento”.

Dilma declarou que “produziram um impeachment” por algo “que nunca tinha sido diferente” em gestões anteriores. Ela citou decisão do fim de março em que a 7ª Turma Especializada do TRF-2 (Tribunal Regional Federal da 2ª Região) extinguiu o processo contra ela, sem resolução do mérito, por danos financeiros causados pelas pedaladas fiscais.

“Eu cansei de escutar ministro do Supremo, o próprio [ex-presidente Michel] Temer dizendo que não foi bem pedalada fiscal, [o impeachment] foi porque eu não tinha apoio político”, disse a petista. “Só que não ter apoio político no Brasil não é razão para impeachment no Brasil.”

Questionada sobre questões de gênero, a petista disse não pensar que sofreu o impeachment por ser mulher. “Acho que sofri impeachment porque representava um projeto diferente para o Brasil, de inclusão social”, falou. “Agora, eu acho que o golpe utilizou profundamente da minha condição de mulher para criar o meio ambiente para me tirar do governo.”

PANDEMIA

“Quando a pandemia chegou no Brasil, a saúde pública estava desarmada”, disse Dilma. Ela citou o fim da parceria com Cuba no programa Mais Médicos, que trouxe médicos cubanos ao Brasil. Segundo ela, muitas mortes poderiam ter sido evitadas se a atenção básica não estivesse enfraquecida.

EDUCAÇÃO E RACISMO

Dilma disse ser movida por “questões sociais, raciais e de mulheres, que estão intimamente ligadas”. Ela citou que a maioria do Brasil é negra e disse ser a favor do sistema de cotas. Segundo a ex-presidente, a dificuldade no acesso à educação interessa “a elite ignorante, com uma tradição absolutamente escravocrata”.

A petista declarou ser preciso falar de racismo. “Um pobre branco no Brasil é tão lascado quanto um pobre negro”, disse, acrescentando que “a lascação” do negro é pior por conta da cor de sua pele.

Poder 360

#PUBLICIDADE#

Mais Lidas

Pesquisa OPUS: João Azevedo cai e Pedro encosta. Nilvan e Veneziano empatam

Pesquisa do Instituto Opus, contratada pelo Portal da Capital, traz os primeiros números do atual cenário da corrida eleitoral...

Resultado de pesquisa para governador da Paraíba já tem data para ser divulgada; veja

A corrida eleitoral para governador e senador na Paraíba vai ter a primeira pesquisa contratada pelas TVs Paraíba e Cabo Branco, que compõem a...

ENQUETE F5: Ricardo Coutinho lidera preferência na disputa ao Senado pela Paraíba

Enquete realizada pelo portal F5 Online sobre intenção de voto para os candidatos ao Senado na Paraíba mostra o ex-governador Ricardo Coutinho (PT) na...

Instituto Opus: Ricardo Coutinho lidera primeira pesquisa para o senado na Paraíba; Efraim cresce

Pesquisa do Instituto Opus, contratada pelo @portaldacapital, traz os primeiros números da Paraíba sobre a disputa ao Senado Federal. O levantamento realizou mil entrevistas...

DATAVOX: João Azevêdo lidera com 40,7% das intenções de voto na 1ª pesquisa para governo da PB em 2022

Realizada em parceria entre o Instituto Datavox e o portal PB Agora, a pesquisa aponta o deputado federal Pedro Cunha Lima (PSDB) em segundo lugar, com 14,2%. Em seguida vem o senador Veneziano Vital (MDB), com 6,6%, o ex-prefeito de João Pessoa, Luciano Cartaxo (PT) com 5,9%, Nilvan Ferreira (PTB) com 3,2% e a vice-governadora do estado, Lígia Feliciano (PDT) com 1%. Indecisos somam 20,3%, enquanto brancos e nulos representam 8,1%.
#PUBLICIDADE#

ACHAMOS QUE VOCÊ VAI GOSTAR

#PUBLICIDADE#