João Pessoa 22.13ºC
Campina Grande 19.9ºC
Patos 20.13ºC
IBOVESPA 120759.51
Euro 5.7609
Dólar 5.3545
Peso 0.0059
Yuan 0.7381
Em JP: Vereador diz que “mulheres não conseguem controlar impulsos sexuais e usam o aborto como método contraceptivo“
27/09/2023 / 17:20
Compartilhe:

O vereador da cidade de João Pessoa, Tarcísio Jardim (PP), atacou mulheres nesta quarta-feira (27), ao dizer que elas não conseguem conter seus impulsos sexuais e usam o aborto como método contraceptivo. Além de desconsiderar que o ato sexual é composto por duas partes, o vereador criticou as pessoas que são a favor da discussão de descriminalização do aborto no Brasil.

“Estão querendo usar o aborto como meio contraceptivo. Mulheres irresponsáveis que não sabem tomar consciência dos seus próprios atos querem terceirizar a sua culpa e a consequência das suas ações”, declarou. “Querem legalizar um erro. Eu sou uma pessoa irresponsável, não consigo controlar meus impulsos sexuais, não consigo ter cuidados suficientes na hora de uma relação sexual, então eu vou fazer uma criança, um feto pagar por isso”, afirmou.

A declaração aconteceu durante uma sessão especial para debater a Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental (ADPF) 442, que tramita no Supremo Tribunal Federal (STF), e pode descriminalizar a interrupção da gravidez de até 12 semanas. O processo segue interrompido na Corte, após o ministro Luís Roberto Barroso pediu destaque e interrompeu a votação.

Para os defensores, a imposição de uma gravidez reforça uma violência de gênero e institucional contra as mulheres. A ministra Rosa Weber destacou que “a criminalização perpetua o quadro de discriminação com base no gênero, porque ninguém supõe, ainda que em última lente, que o homem de alguma forma seja reprovado pela sua conduta de liberdade sexual”.

Além disso, o aborto é a quinta maior causa de mortalidade materna de acordo com a Organização Pan-Americana de Saúde (Opas). E entre 2012 e 2022, 483 mulheres morreram após complicações de um aborto mal executado, diz o Portal Brasil de Fato, somente na base de dados dos hospitais públicos.

F5online com MAISPB