23.1 C
João Pessoa

Especialista do Comitê Covid João Pessoa esclarece dúvidas comuns da população sobre as vacinas contra a Covid-19

Quem toma alguma das duas vacinas, normalmente pode sofrer apenas pequenas reações, que são eventos comuns a aplicação de qualquer imunizante

A campanha de imunização contra a Covid-19 no Brasil teve início em janeiro deste ano e, desde então, o método tem se mostrado bastante eficaz na prevenção à doença. Ainda assim, existem questionamentos em torno das vacinas, como possíveis reações, quem pode e quem não pode tomar o imunizante e em quais condições ele deve ser evitado. A Prefeitura de João Pessoa, que superou a marca de mais de 226 mil doses aplicadas, conta com o Comitê Covid-19, com especialistas para esclarecer as dúvidas mais comuns da população.

Quem preside o órgão é o médico Fernando Chagas, que explica a fórmula das duas vacinas usadas na campanha de imunização da Prefeitura de João Pessoa, a Coronavac, do Instituto Butantan, e a Astrazeneca, da Oxford, que não oferecem qualquer risco para quem tem algum tipo de alergia alimentar, por exemplo. “Uma é composta por um vírus inativo e a outra por um pedaço do Coronavírus dentro de outro vírus chamado Adenovírus, que não possuem proteínas de leite, ovo ou qualquer substância que se que ofereça risco à população”, disse.

Leia Também

Quem toma alguma das duas vacinas, normalmente pode sofrer apenas pequenas reações, que são eventos comuns a aplicação de qualquer imunizante, alerta Fernando Chagas. “Podem ser dores no local da aplicação, febre, dor no corpo, moleza, que, geralmente, vai durar em torno de dois a três dias. E quando aparecem, são sintomas provocados como resposta do nosso corpo a um microorganismo estranho”, explicou.

Pessoas com doença respiratória como asma, doença pulmonar obstrutiva crônica, em tratamento de tuberculose ou de câncer podem se vacinar normalmente. A vacina deve ser evitada ou adiada quando a pessoa apresentar sintomas de síndromes gripais, como febre, dor no corpo, dor de cabeça, coriza ou problema respiratório, porque pode ser, inclusive, a própria Covid-19. Nesse caso, a vacinação só pode ser feita 30 dias após o aparecimento dos sintomas. Fernando Chagas aconselha a pessoa realizar exame que possa diagnosticar a causa dos problemas para que a vacinação aconteça com segurança.

#PUBLICIDADE#

Mais Lidas

Pesquisa OPUS: João Azevedo cai e Pedro encosta. Nilvan e Veneziano empatam

Pesquisa do Instituto Opus, contratada pelo Portal da Capital, traz os primeiros números do atual cenário da corrida eleitoral...

Resultado de pesquisa para governador da Paraíba já tem data para ser divulgada; veja

A corrida eleitoral para governador e senador na Paraíba vai ter a primeira pesquisa contratada pelas TVs Paraíba e Cabo Branco, que compõem a...

ENQUETE F5: Ricardo Coutinho lidera preferência na disputa ao Senado pela Paraíba

Enquete realizada pelo portal F5 Online sobre intenção de voto para os candidatos ao Senado na Paraíba mostra o ex-governador Ricardo Coutinho (PT) na...

Instituto Opus: Ricardo Coutinho lidera primeira pesquisa para o senado na Paraíba; Efraim cresce

Pesquisa do Instituto Opus, contratada pelo @portaldacapital, traz os primeiros números da Paraíba sobre a disputa ao Senado Federal. O levantamento realizou mil entrevistas...

DATAVOX: João Azevêdo lidera com 40,7% das intenções de voto na 1ª pesquisa para governo da PB em 2022

Realizada em parceria entre o Instituto Datavox e o portal PB Agora, a pesquisa aponta o deputado federal Pedro Cunha Lima (PSDB) em segundo lugar, com 14,2%. Em seguida vem o senador Veneziano Vital (MDB), com 6,6%, o ex-prefeito de João Pessoa, Luciano Cartaxo (PT) com 5,9%, Nilvan Ferreira (PTB) com 3,2% e a vice-governadora do estado, Lígia Feliciano (PDT) com 1%. Indecisos somam 20,3%, enquanto brancos e nulos representam 8,1%.
#PUBLICIDADE#

ACHAMOS QUE VOCÊ VAI GOSTAR

#PUBLICIDADE#