João Pessoa 26.13ºC
Campina Grande 22.9ºC
Patos 24.28ºC
IBOVESPA 125946.09
Euro 5.4435
Dólar 5.1177
Peso 0.0059
Yuan 0.7071
Fio Cruz recomenda restrições de atividades não essenciais por 14 dias
24/03/2021 / 11:42
Compartilhe:

O nível crítico de ocupação de leitos de unidade de terapia intensiva (UTI) para Covid-19 em 25 estados e no Distrito Federal fez a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) recomendar a essas unidades da Federação a adoção de medidas urgentes de bloqueio para conter a crise sanitária e o colapso do sistema de saúde, como lockdown e toque de recolher.

Um boletim sobre a doença elaborado por pesquisadores da Fiocruz e divulgado nesta terça-feira (23) alerta que, à exceção de Amazonas e Roraima, todos os outros entes federativos estão com mais de 80% dos leitos ocupados. Os números mais alarmantes são os das regiões Sul e Centro-Oeste, em que todos os estados e o Distrito Federal estão com taxas superiores a 96%.

No Mato Grosso do Sul, em especial, o valor é de 106%. Segundo a Fiocruz, isso indica o uso de leitos não habilitados para covid-19 no atendimento da demanda imposta ao sistema de saúde pela enfermidade.

Os números elevados, de acordo com os pesquisadores, “retratam o colapso do sistema de saúde para o atendimento de pacientes que requerem cuidados complexos para a covid-19, além de prejuízos imensuráveis no atendimento de pacientes que demandam cuidados em razão de outros pros cientistas ressaltam que “medidas rigorosas para o controle e prevenção da doença, que começam a ser adotadas no país, são fundamentais para interromper a tendência de descontrole da pandemia, mitigando efeitos sobre o sistema de saúde e, especialmente, poupando vidas”.

“Neste momento de crise é urgente a adoção rigorosa das medidas de bloqueio da transmissão na quase totalidade dos estados e capitais que se encontram na zona de alerta crítica, bem como nos municípios que integram regiões de saúde onde há altas taxas de ocupação de leitos UTI covid-19”, diz o documento da Fiocruz.

Novas medidas e toque de recolher

A instituição pede a adoção de medidas de bloqueio ou lockdown, com restrição das atividades não essenciais por cerca de 14 dias. Segundo a Fiocruz, esse é o tempo mínimo necessário para redução significativa das taxas de transmissão e número de casos e redução das pressões sobre o sistema de saúde.

A Fiocruz defende um toque de recolher em todo país a partir das 20h até as 6h da manhã e durante os finais de semana, o fechamento de praias e bares, a suspensão das atividades presenciais de todos os níveis da educação e a adoção de trabalho remoto sempre que possível, tanto no setor público, quanto no privado.

Outra sugestão da Fiocruz é a ampliação da disponibilidade e do uso de máscaras. A fundação defende que pelo menos 80% da população utilize o equipamento de proteção.

“Campanhas de distribuição gratuita de máscaras de pano multicamadas em áreas e pontos de maior concentração populacional e baixo percentual de uso, combinadas com campanhas governamentais e não governamentais sobre sua importância e modo correto de utilização devem fazer parte desta estratégia.”

Falta de unidade nacional

No documento, os pesquisadores da Fiocruz lamentam “a ausência de articulação, integração e coordenação” entre governos municipais, estaduais e federal na adoção de medidas de distanciamento físico e social como estratégia para combater o novo coronavírus. “Estas medidas deveriam ser mantidas até que tivéssemos a vacinação da maior parte da população e tinham como objetivos a preservação da vida e não exceder as capacidades instaladas dos serviços de cuidados intensivos.”

Posição da Paraíba

Fontes ouvidas pela redação do F5 afirmaram que o governador João Azevedo continua monitorando de perto a situação e não pensa por enquanto em lockdown. Talvez, antecipar feriados seja uma das alternativas.

Da redação com informações do Correio Braziliense