João Pessoa 22.13ºC
Campina Grande 20.9ºC
Patos 23.87ºC
IBOVESPA 128293.61
Euro 5.9172
Dólar 5.4398
Peso 0.0059
Yuan 0.7498
Folha de S. Paulo aponta Paraíba como o segundo estado com menor ocupação de leitos UTI Covid do país
07/08/2021 / 10:51
Compartilhe:

A Folha de São Paulo divulgou, nesta sexta-feira (6), uma matéria na qual a Paraíba é apontada como o segundo estado com menor ocupação de leitos de UTI por pacientes acometidos de Covid-19, com 30% do total destes leitos preenchidos. Em todo o estado, já foi vacinada 64,44% da população acima de 18 anos com pelo menos uma dose. A expectativa é concluir a aplicação da D1 neste grupo até o final do mês de setembro.

A matéria lembrou ainda que a Paraíba registrou uma redução de 50% no total de internações e óbitos por Covid-19 nos últimos dois meses. O município de Piancó apareceu como destaque, com uma queda de 80% na ocupação de UTI e 70% de enfermarias no Hospital Wenceslau Lopes, referência para os casos de Covid-19 no município.

Apesar do cenário favorável, o secretario de Saúde do estado, Geraldo Medeiros, afirma que é preciso manter os cuidados, uma vez que já se observa o crescimento na média móvel do ritmo de contágio (Rt). Essa taxa traduz o potencial de propagação de um vírus: quando ela é superior a 1,0, cada infectado transmite a doença para mais de uma pessoa e a doença avança. O secretário explica ainda que mesmo as cidades com Rt menor que 1,0, mas que estão em crescimento dessa taxa, podem aumentar sua transmissibilidade e afetar o sistema de saúde em até 15 dias.

A análise evolutiva do Rt na Paraíba (médias móveis de 14 dias) aponta que nas três últimas quinzenas houve quebra de estabilidade com evolução positiva de 0,81 para 0,86 e agora para 0,88 no estado. Pelo menos 11 municípios registraram crescimento da transmissibilidade nos últimos 14 dias. João Pessoa, com Rt de 0,93; Campina Grande e Cajazeiras, com Rt de 0,95; Remígio, com Rt de 0,97; Guarabira, Itaporanga, São Mamede e Sousa, com Rt de 0,99; Picuí, com Rt de 1,03; Taperoá, com Rt de 1,05 e Princesa Isabel, com Rt de 1,07.

Geraldo Medeiros faz um alerta sobre as cidades com maior ritmo de contágio: “Os municípios onde essa taxa esteja acima de 1,0 podem acelerar sua transmissibilidade e afetar o sistema de saúde em até uma semana”. Ele lembra que ainda há variáveis que não se podem controlar, como a maior circulação da comunidade escolar e a possível circulação da variante delta entre os não vacinados e seus impactos.

“Ainda temos que compreender qual a escala de pressão que poderá ser vista sobre o sistema de saúde diante da cobertura com primeiras doses da população vacinável em 64%”.

No mês de julho, 107 cidades paraibanas não registraram nenhum óbito por Covid-19. De junho para julho, o número de mortes em decorrência da pandemia no estado caiu de 796 para 386, uma redução de 51,5%.