João Pessoa 23.13ºC
Campina Grande 20.9ºC
Patos 20.63ºC
IBOVESPA 122898.8
Euro 5.74
Dólar 5.2585
Peso 0.0059
Yuan 0.7258
Gilmar quer anular toda Lava Jato com base em mensagens hackeadas, diz Moro
09/04/2022 / 12:36
Compartilhe:

O ex-juiz da Operação Lava Jato Sergio Moro (União Brasil) disse nesta sexta-feira (8) no Twitter que o ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Gilmar Mendes quer “anular toda a Lava Jato com base em mensagens hackeadas”. A fala de Moro faz referência ao uso de diálogos da Operação Spoofing, investigação sobre hackers de autoridades, entre elas o ex-juiz e procuradores da Lava Jato, na sentença.

A declaração do possível presidenciável ocorreu após o ministro anular esta semana as decisões do processo contra Walter Faria, dono da cervejaria Petrópolis, segundo o colunista Guilherme Amado, do site Metrópoles. Faria foi alvo da operação Rock City, fase 62 da Lava Jato, em 2019.

“Gilmar Mendes quer anular toda a Lava Jato com base em mensagens hackeadas. Aliás, nem proferi decisões nesta operação. O STF e a sociedade vão deixar isso acontecer?”, questionou.

O ex-juiz ainda afirmou que a ação de Mendes é “mais um balde de água fria nos brasileiros de bem”.

Segundo o Metrópoles, o magistrado usou em sua decisão diálogos da Operação Spoofing, investigação sobre hackers de autoridades. Para Mendes, ainda segundo o site, as mensagens mostraram um “acordo espúrio que importa na quebra da imparcialidade do magistrado e na nulidade dos atos praticados”.

Na decisão, Mendes ainda aponta a “incompetência e nulidade desde a origem dos atos praticados nos autos da operação Rock City”, na qual Faria era um dos alvos.

PGR E OPERAÇÃO SPOOFING

Atualmente, a PGR (Procuradoria-Geral da República) tenta reverter decisão do ministro Ricardo Lewandowski que acolheu pedido do empresário Walter Faria e declarou a “imprestabilidade” de provas derivadas do acordo de leniência da Odebrecht em duas ações penais abertas contra o dono do grupo Petrópolis na esteira da Lava Jato.

Walter Faria foi uma das pessoas que pediu que o Supremo estendesse decisão inicialmente concedida ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, sendo que, em setembro de 2021, Lewandowski atendeu um dos pedidos da defesa e suspendeu o trâmite de duas ações penais contra o dono do grupo Petrópolis -uma em curso perante a 6ª Vara Federal de São Paulo e outra que tramita junto à 13ª Vara Federal de Curitiba.

Lula conseguiu acesso às mensagens apreendidas na Operação Spoofing. Desde que as decisões no âmbito de tal processo beneficiaram o petista, réus da Lava Jato apresentaram pedidos de extensão, tanto para obter acesso ao acordo de leniência da Odebrecht como às conversas hackeadas. No final do mês passado, a subprocuradora-geral da República Lindôra Araújo pediu que o STF estabeleça os limites do uso das mensagens apreendidas no âmbito da Operação Spoofing.

No recurso, a PGR argumenta que a “consequência concreta” da decisão que declarou a “imprestabilidade” das provas obtidas a partir do acordo de leniência da Odebrecht para subsidiar as ações contra Faria é o trancamento das duas ações penais contra o empresário.

O argumento da Procuradoria é o de que a reclamação na qual a defesa do dono do Grupo Petrópolis peticionou o STF “transbordou a sua finalidade para se transformar em verdadeiro meio processual de avanço por sobre as instâncias anteriores”. O órgão argumenta que, após o acolhimento dos pedidos de Lula, o processo deveria ter sido extinto e arquivado.

Informações: FolhaPress