João Pessoa 23.13ºC
Campina Grande 20.9ºC
Patos 23.4ºC
IBOVESPA 120261.34
Euro 5.8245
Dólar 5.4232
Peso 0.006
Yuan 0.747
Globo, Band e ESPN são investigadas em suposta fraude de transmissões
05/02/2022 / 16:43
Compartilhe:

O Conselho Administrativo de Defesa Econômica instaurou inquérito na última quinta (3) para apurar uma suposta formação de cartel por empresas que venderam direitos de transmissão de eventos de futebol entre 2008 e 2017. Gigantes do marketing estão na lista. Todas elas já negociaram com TVs importantes no Brasil, como Globo, ESPN, Band e Esporte Interativo nos últimos anos.

Segundo o conselho, oito empresas (B4 Capital AS, Dentsu, European Broadcaster Union, Infront Sports, MP & Silva, U! Sports GmbH, Telefónica e IMG) são investigadas, e 37 pessoas, em sua maioria executivos dos escritórios, serão intimadas para dar explicações em até 30 dias úteis. A acusação é de licitações com direcionamento para um vencedor por interesses escusos e de práticas anticoncorrenciais.

O Cade indica que houve “prática de conduta anticompetitiva consistentes em coordenar preços e lances de torneios; dividir mercado, por meio de apresentação de propostas de cobertura, abstenções de competir e acordos anticompetitivos para apresentação conjunta de lances”.

Ou seja, a investigação vai direcionar se essas empresas manipularam as propostas para onde mais desejavam com o objetivo de inflacionar comissões de vendas e aumentar a bolha financeira do mercado de mídia esportiva para grandes promotores de torneios pelo mundo –mas com o uso de práticas ilegais ou antiéticas.

Para o Cade, espectadores brasileiros foram afetados indiretamente em eventos licenciados para transmissão. “Participantes e promotores de eventos foram prejudicados em razão da coordenação de potenciais compradores, o que significou menor qualidade ou quantidade dos eventos realizados no estrangeiro e transmitidos no país”, conclui o documento.

A investigação tem até 90 dias para ser concluída na superintendência-geral do órgão, que pode pedir mais dois meses para trabalhos complementares.