João Pessoa 26.06ºC
Campina Grande 21.75ºC
Patos 29.4ºC
IBOVESPA 123710.67
Euro 5.5969
Dólar 5.1594
Peso 0.0058
Yuan 0.7121
H2V produzido no Brasil deve em breve ser mais barato que gasolina
04/11/2022 / 07:59
Compartilhe:

Com custo estimado entre US$ 1,20 e US$ 1,40/kg até 2030, o hidrogênio verde (H2V) produzido no Brasil pode ser mais barato que a gasolina no futuro próximo, disse o CEO da Comerc Eficiência, Marcel Haratz, durante evento sobre frotas verdes em outubro.

O cálculo considera um veículo com tecnologia célula a combustível capaz de fazer 150 quilômetros com um quilo do hidrogênio, o que daria cerca de R$ 0,08 por quilômetro rodado.

“Se considerarmos o preço do hidrogênio verde produzido hoje em pequena escala, chegamos a R$ 0,39/km. Se esse mesmo estudo fosse feito hoje com um carro a gasolina que faz uma média de 10 km/litro, são R$ 0,55/km. Ou seja, o hidrogênio verde produzido hoje já é mais barato do que a gasolina no Brasil”, explica.

A perspectiva de redução dos custos na próxima década e a evolução tecnológica devem trazer mais competitividade para a inserção do novo combustível no Brasil.

Mesmo a maior parte dos projetos em estudo hoje focando exportação, Haratz vê potencial para o consumo interno.

Estudo da McKinsey indica que o Brasil pode consumir de 7 a 9 milhões de toneladas/ano de H2V até 2040, como matéria-prima, na indústria e nos transportes.

No setor de transportes, o potencial de consumo chega a 3,6 milhões de toneladas/ano, dos quais 600 mil toneladas seriam usadas por veículos leves — os 3 milhões de toneladas restantes devem substituir diesel no transporte de cargas em trens e caminhões, e combustível marítimo.

Energia renovável não deve faltar…

Haratz calcula que os projetos de geração solar e eólica em desenvolvimento hoje no Brasil — sem considerar os 169 GW de eólica offshore em licenciamento e aguardando um marco legal — somam 248 GW e seriam capazes de produzir 13 milhões de toneladas/ano de hidrogênio até 2040.

…mas o ponto de consumo ainda é um gargalo. “Além da demanda por redes de transmissão da energia, [ter a energia necessária no] ponto de consumo é o principal desafio, porque vamos consumir grandes quantidades”, explica.

Competitividade para o H2V

Outra questão é pagar a conta dos projetos bilionários. Lá fora, governos estão subsidiando a indústria e até mesmo o consumo.

Aqui, isso está longe de acontecer. Pelo menos no atual governo.

“Pedir algum subsídio hoje é difícil. Temos que buscar fontes de financiamento mais competitivas, buscar formas de a eletricidade chegar barata”, observa o executivo.

Ele explica que o que faz o hidrogênio verde ser competitivo em um país é o preço da eletricidade renovável, que hoje representa de 70% a 80% do custo final.

No Brasil, a maior parte dos projetos está concentrada em portos que possuem Zonas de Processamento de Exportação (ZPE) que dão benefícios fiscais para as empresas.

Segundo Haratz, a indústria também está tentando enquadrar o hidrogênio como prioritário para poder emitir debêntures de infraestrutura.

“Temos que ir atrás de formas de financiamento mais competitivas. Internacionalmente, alguns bancos oferecem financiamento a taxas muito baratas, mas quando fazemos o swap cambial aqui, se não for para exportação, fica muito difícil”.

Combustível da próxima década

Para Wilson Ferreira Júnior, presidente da Eletrobras, o hidrogênio “muito provavelmente” será o combustível da próxima década, com destaque para o verde.

Durante o evento sobre fretes verdes, o executivo disse que a matriz elétrica predominantemente renovável do Brasil coloca o país em posição de vantagem para produção do combustível a partir da eletrólise.

A matriz elétrica brasileira hoje tem cerca de 186 GW, dos quais 155,6 GW, ou 83%, vem de fontes renováveis — hidrelétrica, eólica, solar e biomassa.

O potencial, no entanto, é muito maior e a holding de geração, transmissão e distribuição está considerando isso nos seus planos de investimento.

Casa dos Ventos e TotalEnergies formam joint-venture

A nova sociedade nasce com um portfólio de 6,2 GW de geração renovável, dos quais 700 MW estão em operação, 1GW em construção e 4,5 GW em estágio avançado de desenvolvimento. Também buscará oportunidades de investimento nas áreas de hidrogênio e amônia verde.

A brasileira passa a atuar na construção e operação de empreendimentos de geração renovável por meio da nova sociedade com TotalEnergies, enquanto mantém a sua área de desenvolvimento.

A joint-venture terá o direito prioritário de adquirir outros projetos atualmente em desenvolvimento pela Casa dos Ventos. A TotalEnergies tem 9 GW em eólicas offshore projetadas para o Brasil.

Eólica no Piauí

A Enel Green Power Brasil, braço de geração renovável da Enel Brasil, iniciou a construção do parque eólico Lagoa dos Ventos V (399 MW) no município de Dom Inocêncio, no Piauí. É a segunda expansão do maior complexo eólico atualmente em operação na América do Sul, com investimento estimado em R$ 2,5 bilhões.

A construção começou em 2020 e a expectativa é concluir o empreendimento até o fim do ano. Atualmente, o complexo possui cerca de 1 GW em funcionamento e, quando estiver totalmente pronto, terá capacidade instalada superior a 1,5 GW.

Debêntures ESG

A Energisa levantou R$ 750 milhões com a emissão dos chamados Sustainability-Linked Bond (SLB). Na prática, os projetos vinculados aos títulos evitarão a emissão de 76 mil toneladas de carbono, equivalente ao capturado por uma floresta do tamanho de 100 campos de futebol.

O SLB está relacionado a projetos de geração distribuída e iniciativas para dar acesso à energia limpa, especialmente em regiões remotas do Brasil.

Planos climáticos insuficientes

Dois relatórios da ONU publicados em (26/10) mostram que os planos climáticos ainda estão insuficientes para frear o aumento da temperatura global.

A Organização Meteorológica Mundial (OMM) alerta que que a concentração na atmosfera dos três principais gases de efeito estufa — CO2, metano e óxido nitroso — atingiu novos recordes em 2021.

Já a ONU Mudanças Climáticas analisou as 193 Contribuições Nacionalmente Determinadas (NDCs) e descobriu que os panos levam a um aumento de 10,6% nas emissões até 2030. O ideal é um corte de 45% até o final da década.

*Por Nayara Machado, jornalista especializada em energia e combustíveis com foco em clima e sustentabilidade. Publicado em EP BR