22.1 C
João Pessoa

Imigrantes ocupam a avenida Paulista e protestam contra morte de Moïse

Movimentos de luta por direitos humanos e contra o racismo, como a Coalizão Negra por Direitos e a Frente Povo Sem Medo, fazem ato pedindo justiça no caso de Moïse Mugenyi Kabagambe, assassinado no Rio de Janeiro

O ato começou por volta das 10h, de forma tímida e pacífica, com dezenas de pessoas. Os manifestantes ocupavam apenas o vão do Masp (Museu de Arte de São Paulo). Aos poucos, o movimento ganhou adeptos e a via, no sentido Centro, precisou ser bloqueada.

A paulistana Maísa Magacho soube do protesto, pela internet, e sozinha fez o seu cartaz e foi até o MASP. “Precisamos desestruturar o racismo, estamos já em 2022 e até quando? Esse tipo de situação é inaceitável e queremos igualdade, igualdade”, diz a ourives.

Leia Também

A Polícia Militar, presente no local, afirmou que não fará estimativa do público presente.

Além de se solidarizarem pela morte de Moïse e pedir rigor na apuração do crime, os imigrantes africanos clamaram por igualdade, respeito e à atenção das autoridades brasileiras.

Alguns movimentos e partidários da esquerda aproveitaram a presença do público para fazer panfletagem, como membros do PSTU (Partido Socialista dos Trabalhadores Unificado).

Houve, inclusive, quem pediu, em cartaz, a saída do presidente Jair Bolsonaro (PL) da presidência da República.

A manifestação ficou tensa por volta das 13h20, quando o grupo passou a se dirigir em direção ao centro, rumo a praça do Ciclista. Um policial disse à reportagem que não estava a programado a saída do Masp.

Já uma das organizadoras disse que estava tudo sob controle e tinham autorização para seguir pela Paulista. Policiais então formaram uma barreira humana no final da avenida, além de posicionarem motos da corporação.

A organização, então, tentou negociar com a PM, Mas a saída não foi autorizada. Em meio à tensão, alguns militantes gritaram palavras contra os policiais.

Por volta das 14h, a cavalaria da PM se posicionou na Consolação. Alguns manifestantes tentaram convencer o grupo a voltar ao Masp, mas não houve consenso.

O primeiro a discursar, da calçada da avenida Paulista, o angolano João Canda pediu por oportunidades ao povo negro. “Nós só escolhemos um refúgio no Brasil em razão da nossa cultura, dos nossos ancestrais. Este país é nosso também, temos direitos constitucionais e merecemos respeito”, afirmou Canda.

Uma das organizadoras do protesto, a congolesa Claudine Shindany buscou refúgio no Brasil em 2014. Segundo ela, o país vive um difícil período de falta de hospitalidade. “O problema maior aqui hoje [sábado], é a nossa indignação pelo irmão Moïse, mas queremos chamar atenção das autoridades sobre como estamos sendo injustiçados, esquecidos”, afirmou.

“Chega de sermos hostilizados, sermos ridicularizados no trabalho, nas escolas, nos hospitais”, desabafou Shindany.

Além da comunidade congolesa, movimentos negros de São Paulo e de assistência aos imigrantes tomaram à frente dos protestos. Entre eles, a Coalizão Negra por Direitos, que diz ter denunciado a morte de Moïse ao Comitê para a Eliminação da Discriminação Racial da ONU (Organização das Nações Unidas).

“Os imigrantes, sobretudo os africanos, são fragilizados e humilhados no Brasil. Essa indignação aqui [na Paulista] partiu delas, e temos que ajudá-los por toda essa vulnerabilidade”, diz Adriana Moreira, da Uneafro, que integra a Coalizão Negra por Direitos.

Prudence Kalambay, que foi Miss Congo e mora no Brasil desde 2019, pediu para dizer apenas uma palavra: “Crueldade”.

Prudence tinha uma vida confortável em Kinshasa, capital da República Democrática do Congo, até que Joseph Kabila, que presidiu o país por duas décadas, até janeiro de 2019, passou a perseguir o seu patrão. Com medo das tropas de Kabila, Prudence fugiu para Angola, com a filha de quatro anos. Em Luana, se apaixonou pelas novelas brasileiras e quis morar no Brasil.

Já Moïse morava desde 2011 no Brasil. Na ocasião, ele tinha 13 quando desembarcou ao lado de três dos seus 11 irmãos. Aterrissou como refugiado da República Democrática do Congo, onde o pai é político (hoje trabalha na diplomacia, diz a família).

No Rio de Janeiro, ele vivia entre Madureira, onde mora a sua mãe, e na casa de primos e amigos em Barros Filho e Braz de Pina —todos na zona norte da cidade. Cursou até a segunda série do ensino médio e desde então fazia bicos em restaurantes, lanchonetes, quiosques e na praia.

No último dia 24 a sua vida chegou ao fim de forma cruel. Aos 24 anos, Moïse foi agredido por pelo menos quatro pessoas e ferido com 39 pauladas de taco de beisebol. De acordo com a sua família, o congolês havia ido ao quiosque reivindicar salários atrasados após prestar serviço como auxiliar de cozinha.

Segundo o IML (Instituto Médico Legal), as pancadas com o taco de beisebol provocaram traumatismo no tórax, com contusão pulmonar, que causou a morte de Moïse.

Três homens foram detidos na terça (1º) e cumprem prisão temporária por 30 dias —​até que os todos os fatos sejam esclarecidos. São eles, Aleson Fonseca, 27, Brendon da Silva, 21, e Fábio Pirineus da Silva, 41.

Os três suspeitos, que trabalham em barracas e quiosques da praia, contaram à Polícia que agiram para proteger o funcionário do Tropicália. Segundo eles, o congolês estava bêbado e queria pegar cerveja de graça no freezer.

Aleson chegou a dizer, em depoimento, que “resolveu extravasar a raiva que estava sentindo”, porque Moïse estava “perturbando há alguns dias”.

Folhapress

#PUBLICIDADE#

Mais Lidas

Pesquisa OPUS: João Azevedo cai e Pedro encosta. Nilvan e Veneziano empatam

Pesquisa do Instituto Opus, contratada pelo Portal da Capital, traz os primeiros números do atual cenário da corrida eleitoral...

Resultado de pesquisa para governador da Paraíba já tem data para ser divulgada; veja

A corrida eleitoral para governador e senador na Paraíba vai ter a primeira pesquisa contratada pelas TVs Paraíba e Cabo Branco, que compõem a...

ENQUETE F5: Ricardo Coutinho lidera preferência na disputa ao Senado pela Paraíba

Enquete realizada pelo portal F5 Online sobre intenção de voto para os candidatos ao Senado na Paraíba mostra o ex-governador Ricardo Coutinho (PT) na...

Instituto Opus: Ricardo Coutinho lidera primeira pesquisa para o senado na Paraíba; Efraim cresce

Pesquisa do Instituto Opus, contratada pelo @portaldacapital, traz os primeiros números da Paraíba sobre a disputa ao Senado Federal. O levantamento realizou mil entrevistas...

DATAVOX: João Azevêdo lidera com 40,7% das intenções de voto na 1ª pesquisa para governo da PB em 2022

Realizada em parceria entre o Instituto Datavox e o portal PB Agora, a pesquisa aponta o deputado federal Pedro Cunha Lima (PSDB) em segundo lugar, com 14,2%. Em seguida vem o senador Veneziano Vital (MDB), com 6,6%, o ex-prefeito de João Pessoa, Luciano Cartaxo (PT) com 5,9%, Nilvan Ferreira (PTB) com 3,2% e a vice-governadora do estado, Lígia Feliciano (PDT) com 1%. Indecisos somam 20,3%, enquanto brancos e nulos representam 8,1%.
#PUBLICIDADE#

ACHAMOS QUE VOCÊ VAI GOSTAR

#PUBLICIDADE#