23.1 C
João Pessoa
20.9 C
Campina Grande
11.5 C
Brasília

Inteligência artificial promete prever se você terá morte cardíaca em até 10 anos; entenda

A tecnologia promete "prever o futuro" e saber se um paciente deve ter uma morte cardíaca súbita (MCS)

Uma nova inteligência artificial pode ajudar a humanidade na tão sonhada vida prolongada. A tecnologia promete “prever o futuro” e saber se um paciente deve ter uma morte cardíaca súbita (MCS) em até 10 anos.

Parece coisa de ficção científica, mas não é. A máquina inteligente foi desenvolvida pela professora Natalia Trayanova, da Universidade Johns Hopkins, nos Estados Unidos.

Leia Também

MCS é um grave problema de saúde pública internacional e desenvolve-se mais frequentemente em adultos mais velhos com doença cardíaca estrutural adquirida, segundo a National Library of Medicine (NIH). Esse tipo de “falha elétrica” no coração é responsável por cerca de 15 a 20% das mortes anuais.

Sem uma medida preventiva, a maioria dos indivíduos que sofre uma parada cardíaca desse tipo não sobreviverá, apesar das melhorias nos processos de ressuscitação nos últimos anos.

Como funciona?

Para entender melhor, MCS não é a mesma coisa que um ataque cardíaco causado por obstrução das artérias. O MCS é mais silencioso e pode atacar de surpresa. Trata-se de um problema elétrico que impede o coração de bater corretamente. Dessa forma, um diagnóstico inteligente, com essa margem de antecedência, pode ser revolucionário para salvar vidas.

O sistema de IA foi treinado com dados de 10 anos de exames dos pacientes que participaram do teste. Foram usados registros de 156 pacientes com problemas cardíacos, incluindo resultados de ressonância magnética, além de dados clínicos como peso, hipertensão e até histórico de uso de drogas.

Com todo esse conhecimento adquirido, o algoritmo é capaz de identificar padrões cardíacos irregulares, como a presença de tecido cicatricial — uma espécie de tecido “ferido” do coração, que pode surgir com paradas ou arritmias — e calcular a probabilidade de a pessoa ter um MCS nos próximos 10 anos.

Com essa margem de antecipação, médico e paciente podem se programar para tomar as melhores prevenções futuras. “Você pode dizer: ‘Ok, você tem 50% de chance de ter [um MCS] em cinco anos, mas esse é o nível de certeza que eu tenho disso'”, afirma Trayanova, em entrevista ao site Fast Company.

[O novo sistema de diagnóstico preventivo foi testado com diagnósticos e dados de pacientes de 60 centros de saúde nos Estados Unidos.

Por que isso importa?

O estudo que descreve essa IA, publicado em abril deste ano na revista científica Nature Cardiovascular Research, promete inclusive poupar os pacientes de cirurgias desnecessárias e sofrimento prolongado. Isso porque, atualmente, a forma de tentar evitar uma morte desse tipo ainda é dolorosa e arriscada. Caso se descubra essa “falha” no coração com antecedência, a solução preventiva seria instalar um dispositivo desfibrilador no corpo da pessoa. “Não é divertido viver com esse dispositivo. É como um cavalo chutando você no peito — é muito doloroso”, afirma Trayanova.

O equipamento, além de incômodo, também pode descarregar ou ter mal funcionamento ao longo tempo. Existem até estudos que mostram que ele pode aumentar o risco de mortalidade, segundo a pesquisadora. Com isso, a IA chega como uma ajuda preventiva indolor e inteligente.

Outro ponto é a promessa de ajudar médicos a diagnosticarem melhor os pacientes. Isso porque muitas das pessoas que acabam tendo que implantar o desfibrilador, por vezes, nem precisam deles.

Sintomas de MSC

A resposta está nos ventrículos do coração. Para o diagnóstico preciso, é necessário fazer exames para observar o fluxo de sangue durante os batimentos. No resultado, aplica-se normalmente a “regra dos 30%”, segundo a pesquisadora.

Ou seja, se for detectado que menos de 30% do sangue de dentro de um ventrículo cheio está sendo bombeado para fora a cada batimento, o procedimento padrão é aplicar o desfibrilador por intervenção cirúrgica. E isso acaba colocando todos os pacientes sob o mesmo diagnóstico.

Caso uma pessoa com baixa ejeção de sangue no exame seja classificada pela IA como baixo risco de MSC, soluções alternativas poderiam ser exploradas antes da cirurgia. Como, por exemplo, manter um acompanhamento médico regular.

UOL

1 COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

#PUBLICIDADE#

Mais Lidas

DATAVOX: João Azevêdo lidera com 40,7% das intenções de voto na 1ª pesquisa para governo da PB em 2022

Realizada em parceria entre o Instituto Datavox e o portal PB Agora, a pesquisa aponta o deputado federal Pedro Cunha Lima (PSDB) em segundo lugar, com 14,2%. Em seguida vem o senador Veneziano Vital (MDB), com 6,6%, o ex-prefeito de João Pessoa, Luciano Cartaxo (PT) com 5,9%, Nilvan Ferreira (PTB) com 3,2% e a vice-governadora do estado, Lígia Feliciano (PDT) com 1%. Indecisos somam 20,3%, enquanto brancos e nulos representam 8,1%.

15 possíveis temas de redação para o Enem 2022

O Portal Nacional da Educação divulgou uma lista com os possíveis temas de redação para as provas do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem),...

Pastor da primeira-dama Michelle Bolsonaro declara apoio a Sérgio Queiroz

O pré-candidato ao Senado pelo PRTB, Sérgio Queiroz, recebeu mais um apoio nacional. O pastor da primeira dama do Brasil, Michelle Bolsonaro, Josué Valandro...

7 carros que serão lançados no Brasil ainda em 2022

Mesmo com restrições causadas pela pandemia, 2021 teve lançamentos “de peso” ao longo do ano, como os SUVs Fiat Pulse, Toyota Corolla Cross, Jeep...

Juliette vira personagem de jogo online desenvolvido por estudante paraibano

“Tenho trabalhado cerca de 6 horas por dia no jogo, todos os dias. Criando o conceito, desenhos, animações, programação e gravando, editando pra postar no Instagram. [Na vida real] é lógico que ela vai sair campeã da casa, a quantidade de cactos [apelido dos fãs da participante] só vai aumentar e ela vai continuar sendo o fenômeno que é, mesmo após o fim do programa”, explica o estudante. 
#PUBLICIDADE#

ACHAMOS QUE VOCÊ VAI GOSTAR

#PUBLICIDADE#