Jornalistas lançam carta criticando cobertura de Israel e Palestina

Uma das críticas mais duras no manifesto é a de que a imprensa não contextualiza de maneira satisfatória as notícias que conta naquela região do mundo

DIOGO BERCITO

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) – Dezenas de jornalistas –atuando em veículos como Washington Post, New Yorker e New York Times– publicaram nesta quarta-feira (9) uma carta aberta criticando a cobertura da imprensa americana em Israel e na Palestina.

“Temos uma obrigação –que é sagrada– de contar a história da maneira correta. Toda vez em que falhamos em relatar a verdade, falhamos com nosso público, com nossa missão e com o povo palestino”, diz a carta, que foi assinada por dezenas de profissionais.

Leia Também

Uma das críticas mais duras no manifesto é a de que a imprensa não contextualiza de maneira satisfatória as notícias que conta naquela região do mundo. Não deixa claro, diz o texto, o fato de que Israel ocupa militarmente a Cisjordânia desde 1967. Organizações de direitos humanos acusam o país de crimes contra a humanidade, apartheid e supremacia étnica, conceitos que raramente aparecem na mídia.

A carta também critica, nesse sentido, os termos que jornalistas usam na cobertura de eventos em Israel e na Palestina, como no ciclo de violência recente em Jerusalém e na faixa de Gaza. A imprensa repetiu a narrativa israelense de que a crise no bairro palestino de Sheikh Jarrah era uma disputa imobiliária, diz o texto –quando na realidade era uma expulsão forçada de moradores, violando leis internacionais. Outra palavra condenada pelos signatários é “conflito”, porque não evidencia a disparidade de forças entre os atores.

Não foi um conflito, dizem, quando as forças israelenses atacaram manifestantes na mesquita de Al-Aqsa, em Jerusalém. Foi um ataque.

A publicação da carta faz parte de um contexto mais amplo de revisão das atitudes públicas em relação a Israel e à Palestina. Palestinos têm recorrido às redes sociais para criticar a maneira com que a imprensa conta suas histórias. Políticos de renome e celebridades em todo o mundo têm se posicionado, em uma mudança brusca de atitude.

Em um tuíte, uma repórter da Associated Press reforça a excepcionalidade do texto desta semana. “Eu nunca vi uma carta como essa antes”, diz. Em especial, porque os signatários estão cientes do custo pessoal e profissional de colocar seus nomes no manifesto.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

#PUBLICIDADE#

Mais Lidas

Festival In-Edit começa nesta quarta com 50 documentários musicais

Toda a programação do festival pode ser consultada no site do In-Edit. Alguns filmes também poderão ser acessados na plataforma do Sesc Digital e no canal Tamanduá com acesso gratuito. Após o dia 28 de junho, 11 filmes nacionais ficarão disponíveis na plataforma Spcine Play, também com acesso gratuito.

Vacinado, João Azevedo começa a mexer peças no tabuleiro

O evento para a entrega de caminhões e equipamentos destinados à agricultura familiar no Centro de Convenções, em João Pessoa, mostrou nesta segunda-feira que após tomar as duas doses de Coronavac o governador João Azevedo quer se reaproximar da sua base política. Não que tenha estado tão distante, mas durante a pandemia as audiências foram suspensas e o contato olho no olho só retornou recentemente após o governador ser totalmente imunizado.

João Azevedo e o mapa de 2022

Esse é o x da questão. Tecnicamente, sua experiência é invejável, já politicamente, sua liderança está em construção, embora tenha passado por testes importantes.  Na fase inicial da gestão, lidou com a operação Calvário que arrastou Ricardo Coutinho e nomes importantes da primeira formação do seu secretariado saindo sem arranhões. O vendaval da operação emendou com a pandemia do Coronavirus e Azevedo após 14 meses fez o dever de casa sem prejudicar a gestão fiscal.

Wilson Santiago propõe pagamento de 12 meses de salário mínimo para desempregados com imposto arrecadado de grandes fortunas

Terá direito ao benefício, de um salário mínimo mensal, a pessoa comprovadamente desempregada, e obrigatoriamente inscrita em cursos de formação e capacitação profissional, com duração de até 12 meses. A proposta em análise na Câmara dos Deputados prevê a criação, por meio de lei complementar, do Imposto sobre Grandes Fortunas (IGF). O projeto tramita em caráter conclusivo e será analisado pelas comissões de Trabalho, de Administração e Serviço Público; de Finanças e Tributação; e de Constituição e Justiça e de Cidadania.

Botijão do gás de cozinha chega a R$ 95 em João Pessoa; veja preços por bairro

Os maiores preços foram encontrados no Depósito Pecorelli (Jaguaribe), Beto Gás (Monsenhor Magno/Valentina), Gravatá Gás (Boa Esperança/Valentina), Real Gás (Bancários) e Log Gás (Geisel).
#PUBLICIDADE#

ACHAMOS QUE VOCÊ VAI GOSTAR

#PUBLICIDADE#