João Pessoa 25.13ºC
Campina Grande 23.9ºC
Patos 26.68ºC
IBOVESPA 127411.55
Euro 5.5733
Dólar 5.1531
Peso 0.0058
Yuan 0.7116
‘Maior erro da minha vida’, diz professor que recusou vacina contra Covid
25/07/2021 / 12:22
Compartilhe:

No mês passado, o número de pacientes com Covid-19 no Bradford Royal Infirmary, um hospital no norte da Inglaterra, tinha caído em níveis não vistos desde 2020. No entanto, com a variante Delta se espalhando pelos continentes, os números voltaram a subir.

De acordo com o epidemiologista John Wright, que comanda o Instituto de Bradford para Pesquisa em Saúde, cerca de metade dos pacientes são pessoas que optaram por não tomar a vacina. Agora, diz ele, muitos lamentam a atitude.

“É preocupante que cerca de metade dos pacientes na enfermaria hoje não tenham sido vacinados. Parei de perguntar a eles o motivo, porque estão claramente envergonhados”, conta o médico Abid Aziz.

Uma dessas pessoas é Faisal Bashir, um homem atlético de 54 anos. Ele afirma que por frequentar academia e manter hábitos esportivos saudáveis como caminhada, pedalada e corrida, achava que não corria o risco de contrair a doença. “A vacina foi oferecida para mim, mas fui arrogante.”

Bashir teve alta após uma semana recebendo oxigênio e faz questão de alertar outras pessoas para não cometerem o mesmo erro. “O que vivi no hospital me humilhou”.

“As pessoas estão enchendo os hospitais ao se arriscar, e isso é errado. Eu me sinto péssimo. Eu me sinto tão mal por isso e espero que, falando abertamente, consiga ajudar outros a evitarem isso.”

Não apenas o Bradford Royal Infirmary, mas diversos hospitais da comunidade inglesa enxergam com preocupação a expansão da Covid-19 e suas variantes. Segundo os médicos, a doença avança principalmente entre os mais jovens e os pacientes têm, em média, menos idade do que nas ondas anteriores, com muitos na casa dos 20, 30 e 40.

“Alguns já tomaram as duas doses da vacina e, portanto, tiveram uma doença mais branda, mas ainda assim tiveram de receber oxigênio de forma não invasiva. Sem a vacina, eles provavelmente estariam mortos”, diz o médico Abid Aziz. “Outros acabaram de tomar a primeira dose e, portanto, não estão totalmente protegidos”, complementa.

“É tão bom estar vivo”

Abderrahmane Fadil, um homem de 60 anos e pai de dois filhos pequenos, é mais um dos que lamentam terem recusado a imunização. O professor de ciências estava desconfiado das vacinas por causa da velocidade com que eram distribuídas e acabou na UTI por nove dias.

“É tão bom estar vivo”, diz ele. “Minha esposa tomou a vacina. Eu não. Estava relutante. Estava me dando tempo, estava pensando que na minha vida vivi com vírus, bactérias, e pensei que meu sistema imunológico era bom o suficiente. E eu tive sintomas de covid no início da pandemia e pensei que talvez tivesse contraído. Achei que meu sistema imunológico reconheceria o vírus e eu teria defesas. Esse foi o maior erro da minha vida. Quase me custou a vida. Já tomei muitas decisões tolas na vida, mas essa foi a mais perigosa e séria.”

Fadil deixou o hospital há cerca de um mês, mas ainda não está bem. O professor admite que foi influenciado por conversas em redes sociais e notícias falsas sobre o coronavírus.

“Eu gostaria de poder ir a cada pessoa que se recusa a receber a vacina e dizer a eles: ‘Olha, isso é uma questão de vida ou morte. Você quer viver ou morrer? Se você quiser viver, então vá e tome a vacina”, afirma.

Para o epidemiologista John Wright, embora haja muito menos mortes por Covid do que antes, elas continuam acontecendo e o número está crescendo novamente. Portanto, explica, a velocidade das campanhas de imunização continua sendo uma questão de vida ou morte.

Se há uma lição do ano passado, é nunca subestimar esse vírus, diz o ⁠epidemiologista.

Da Redação com BBC Brasil