João Pessoa 25.13ºC
Campina Grande 21.9ºC
Patos 24.31ºC
IBOVESPA 122898.8
Euro 5.7127
Dólar 5.2585
Peso 0.0058
Yuan 0.7258
Mais de 600 mil servidores públicos federais se afastaram do trabalho em 2023
13/04/2024 / 16:37 / R7
Compartilhe:
Edifício-sede do Tribunal Superior do Trabalho (TST) em Brasília – Foto: Warley Andrade/TV Brasil

Mais de 600 mil servidores públicos federais se afastaram temporariamente do trabalho durante o ano de 2023. A maioria, por motivos de saúde e, em segundo lugar, para capacitação. O órgão mais atingido é justamente o Ministério da Saúde, enquanto o cargo com mais licenças é o de professor do magistério superior. Os dados foram obtidos pelo R7 via Painel Estatístico de Pessoal da União.

Atualmente, o Brasil possui 1.267.228 servidores públicos federais registrados — 513.206 mulheres (40,5%) e 754.022 homens (59,5%). A maioria está no Centro-Oeste, onde fica Brasília: 378.620 (31%). A lista segue com Sudeste (376.706 pessoas, que representam 30,8%), Nordeste (247.174 pessoas, que representam 20,2%), Sul (121.646 pessoas, que representam 10%) e Norte (97.071 pessoas, que representam 7,9%).

Desse total, 591.291 (46,66%) estão ativos, 436.748 estão aposentados (34,46%) e 239.189 (18,87%) são registros de pensões originárias de servidores falecidos. A maioria — 1.150.438 (90,78%) — é composta por civis, enquanto 36.576 (2,89%) são militares. Outros 28.131 funcionam em modo de contrato temporário.

Em 2023, 633.532 servidores públicos federais foram afastados das funções. Desses, 570.785 continuaram recebendo salário e 62.747, não. O principal motivo para os afastamentos é a saúde (43,97% ou 278.592), seguido de capacitação (12,25% ou 77.605), acompanhamento de familiar (7,94% ou 50.321), maternidade ou paternidade (7% ou 44.368), interesse particular (4,65% ou 29.485) e cessão ao Poder Judiciário (1,98% ou 12.516).

Na busca para recompor o quadro de servidores federais, o governo lançou o concurso público nacional unificado. As provas, que serão aplicadas em 5 de maio, vão selecionar funcionários para 6.640 vagas em 21 órgãos ou entidades federais. Ao todo, 2,1 milhões de brasileiros se inscreveram. O maior salário inicial é de R$ 22.921,71, para o cargo de auditor-fiscal do Trabalho. A remuneração mais baixa é para a vaga de técnico em informações geográficas e estatísticas — R$ 4.008,24.

Receba todas as notícias do F5Online no WhatsApp