João Pessoa 22.13ºC
Campina Grande 18.9ºC
Patos 25ºC
IBOVESPA 128896.98
Euro 5.9176
Dólar 5.4291
Peso 0.0059
Yuan 0.7487
Marília Mendonça: diário da cantora achado em local de acidente será restaurado
04/12/2021 / 12:21
Compartilhe:

A família de Marília Mendonça deve contratar um especialista para auxiliar o processo de restauração do diário mantido pela cantora sertaneja e que foi descoberto entre os destroços do avião bimotor que caiu no dia 5 de novembro, matando a artista de 26 anos e outros quatro tripulantes. Até agora, o caderno não foi aberto por ninguém.

— A gente ainda não o abriu. Mas com certeza tem bastante coisa ali. Bastante coisa pessoal, e muita letra de música. A gente está preservando isso para abrir no momento certo. Não sabemos quando teremos peito e cabeça para abrir esse caderno — conta João Gustavo, irmão de Marília Mendonça. — Quando a gente fizer isso, eu tenho certeza que a primeira coisa que a gente vai fazer é divulgar se a gente vai gravar essas músicas, se a gente vai terminar o que falta terminar… Tenho certeza que há muita coisa boa ali. O que se sabe, até o momento, é que o diário continha, além de anotações pessoais, dezenas de rascunhos de letras antigas e novas.

Desde a adolescência, Marília mantinha o hábito de colecionar cadernos.— Como o diário está deteriorado e foi encontrado muito molhado, ainda não é possível afirmar com exatidão o que tinha ali. A família está fazendo esse levantamento de maneira pormenorizada — revela o advogado Maurício Carvalho. — Esse era um diário escrito por ela, e agora a própria família está cuidando disso. Tinham várias letras ali dentro: letras antigas, letras novas…

O advogado foi a primeira pessoa a reconhecer os corpos de Marília Mendonça e dos demais passageiros do avião bimotor após a tragédia ocorrida na região de Piedade de Caratinga, em Minas Gerais. Além da cantora e compositora, estavam na aeronave o tio e assessor dela, Abiceli Silveira Dias Filho, o produtor Henrique Ribeiro, o piloto Geraldo Martins de Medeiros e o co-piloto Tarciso Pessoa Viana.

— Havia o medo de a cachoeira levar o avião, que estava num lugar muito instável, impossibilitando o recolhimento de todos os objetos. Quando chegamos lá, encontramos passaportes, documentos, celulares ainda recebendo mensagens, iPads, a sandália dela, roupas…. — relembrou Maurício Carvalho, em entrevista recente ao GLOBO. — Foi muito triste e impactante olhar aquilo tudo, as roupas. Colocamos dentro do nosso avião e trouxemos conosco.

Informações: O Globo