João Pessoa 24.13ºC
Campina Grande 22.9ºC
Patos 27.27ºC
IBOVESPA 124474.36
Euro 5.6025
Dólar 5.1645
Peso 0.0058
Yuan 0.7135
Mulher trans é agredida por cinco homens em Campina Grande
14/02/2024 / 09:05 / Matheus Melo
Compartilhe:
Advogado e proprietário de estabelecimento suspeitos pelo crime foram presos em flagrante

Dois homens, entre eles um advogado e um proprietário de um quiosque, foram presos em flagrante na noite desta terça-feira (13/2), em Campina Grande, suspeitos de agredirem uma mulher trans. Ao todo cinco homens participaram da ação, mas três deles conseguiram fugir e permanecem foragidos.

Conforme apuração da TV Cabo Branco/Paraíba, era por volta das 20h30 quando viaturas da Polícia Militar avistaram uma confusão generalizada nas imediações do Açude Velho e identificaram que se tratava de uma mulher sendo agredida por cinco homens.

Em depoimento, o advogado preso disse que percebeu que a mulher trans estava paquerando ele e que por isso começou uma discussão com ela, ocasião em que a violência teve início. Segundo ele, nesse momento outras pessoas começaram a se envolver na briga.

A versão da vítima é de que estava no Açude Velho acompanhada de uma amiga após festividades carnavalescas, e que teria ido comprar uma bebida quando percebeu um homem olhando ‘feio’ pra ela. Depois disso ele começou a proferir xingamentos homotransfóbicos contra a mulher e partiu pra cima dela.

Ainda de acordo com o relato da vítima, ela tentou se abrigar da violência em um quiosque às margens do Açude Velho e foi empurrada no chão pelo proprietário de um estabelecimento, que teria incitado violência por parte dos demais envolvidos, os outros homens que começaram as agressões.

A mulher foi levada gravemente ferida para um pronto-socorro, recebeu atendimento e, apesar dos ferimentos, não precisou ficar internada. Também passou por exame de corpo de delito, que comprovou agressões violentas, ferimentos no corpo, cortes e hematomas provocados pelas agressões.

O advogado e o proprietário de quiosque foram presos por lesão corporal e crime de racismo – equiparado pelo STF ao crime de transfobia -, sendo encaminhados para carceragem da Central de Polícia Civil, onde seguem aguardando procedimentos judiciais. Também passaram por exame corpo de delito e teriam dito que foram agredidos pela mulher, mas o exame comprova que eles não tiveram ferimentos, diferente dela que ficou bastante machucada.

Câmeras de segurança podem ajudar na identificação dos três suspeitos que conseguiram fugir.