João Pessoa 24.13ºC
Campina Grande 21.9ºC
Patos 21.89ºC
IBOVESPA 127108.22
Euro 5.8968
Dólar 5.4177
Peso 0.006
Yuan 0.7446
Nova secretária de Estado, Pollyanna quer pontes com o governo Lula: “Eu senti que a Paraíba precisava de mim”
19/01/2023 / 11:03
Compartilhe:

A deputada estadual e nova secretária de Desenvolvimento Humano da Paraíba, Pollyanna Dutra (PSB) tem como maiores missões para gestão da pasta o combate à fome, à pobreza e à exclusão social.

Ex-candidata ao Senado na chapa do governador João Azevêdo (PSB), ficando em segundo lugar na disputa, Pollyanna garante que vai estabelecer mais pontes entre a Paraíba e o governo Lula (PT), assim como desenvolver um trabalho “alinhado” ao presidente.

Dutra foi considerada para assumir um cargo no âmbito do governo federal, mas preferiu focar no estado. “Nesse momento eu senti que a Paraíba precisava de mim”, disse em entrevista à TV Cabo Branco nesta quinta-feira (19.01). “Foi mais oportunista aqui nesse momento, fazendo o elo também da Paraíba com o governo federal”.

A secretária comentou sobre a ida para a pasta do desenvolvimento, que abriga programas importantes para a gestão, como o “Tá na Mesa”. Para Pollyana, trata-se de uma secretaria que exige “muita habilidade política” e diálogo com outras áreas do governo.

“Tudo foi uma construção. Não adiantava também eu assumir qualquer pasta que eu não tivesse identidade com ela. Eu não venho só sentar na cadeira, eu venho contribuir com a minha experiencia na gestão pública, como também as pontes necessárias que precisam ser feitas entre a Paraíba e o governo federal. Eu tenho muita acessibilidade ao presidente Lula, convivi com ele quando prefeita e ele quando presidente, e a gente pode fazer juntos as grandes transformações”, afirmou.

Pollyanna acredita que programas de transferência de renda são importantes, “mas não são únicos”. “É necessário entender que a pobreza não vai se acabar apenas com a transferência de um cartão para a conta bancária, ela é uma ausência de sérias políticas públicas que precisam ser ofertadas. O cidadão precisa estar na rede de proteção social, ele é pobre porque não tem casa, acesso à água, energia, inclusão produtiva, qualificação profissional, por isso que ele não acessa o mercado de trabalho, então há uma série de fatores que a gente precisa entender, respeitar as especificidades, os territórios onde vive a pessoa, entendendo o universo social e individual onde está traçado o perfil da pobreza desse cidadão”, disse.

“É esse exemplo que eu quero ofertar para a Paraíba, entendo que as pessoas elas conseguem, quando estimuladas, exercer o seu próprio protagonismo e quebrar ciclos de pobreza”, acrescentou.