João Pessoa 23.13ºC
Campina Grande 20.9ºC
Patos 20.84ºC
IBOVESPA 119630.44
Euro 5.7882
Dólar 5.441
Peso 0.006
Yuan 0.7499
Operadoras de saúde estão sob risco de penalização caso descumpram lei sobre esterilização no país
27/09/2023 / 16:22
Compartilhe:

O Projeto de Lei 1067/23 tem como objetivo fortalecer as penalidades para agentes públicos que desrespeitarem as novas diretrizes estabelecidas na Lei 14.443/22, que regulamenta as esterilizações no Brasil. Essa legislação traz mudanças importantes:

– Reduz a idade mínima para laqueadura e vasectomia de 25 para 21 anos.

– Não impõe uma idade mínima para quem já tem pelo menos dois filhos vivos.

– Elimina a necessidade de consentimento do cônjuge para a esterilização.

– Permite a realização da laqueadura logo após o parto.

– Garante que todos os métodos contraceptivos estejam disponíveis em até 30 dias.

Conforme o projeto em análise na Câmara dos Deputados, qualquer agente público que não cumprir essas normas estará sujeito a sanções penais e administrativas apropriadas. Além disso, as operadoras de planos de saúde que não seguirem as regras serão punidas pela Agência Nacional de Saúde Complementar, sem prejuízo de possíveis ações civis públicas.

O deputado Adail Filho, autor do projeto e representante do Republicanos-AM, destaca que o objetivo do texto é garantir o respeito aos direitos reprodutivos estabelecidos pela lei.

No PL, o deputado ressalta que, apesar do consenso popular e legislativo em relação às mudanças, há casos em que as secretarias de Saúde e suas divisões administrativas não as cumprem.

O parlamentar mencionou uma reportagem da Folha de S. Paulo, de setembro de 2021, que revelou que algumas Unidades Básicas de Saúde condicionavam a colocação do DIU ao consentimento do cônjuge.

A proposta será avaliada pelas comissões de Saúde e de Constituição e Justiça e de Cidadania da Câmara dos Deputados em um processo de tramitação conclusiva.