João Pessoa 28.13ºC
Campina Grande 25.9ºC
Patos 33.58ºC
IBOVESPA 126497.52
Euro 5.9102
Dólar 5.4576
Peso 0.0059
Yuan 0.7508
Para economizar, casais jovens decidem morar juntos cada vez mais cedo
08/07/2024 / 13:29
Compartilhe:
Chermiti Mohamed/Unsplash

Para Caroline Li e Colin Wang, morar junto após um namoro de oito meses foi uma questão de sorte e urgência.

No fim do ano passado, Wang, 28, estava concluindo seu último ano de faculdade de medicina na Universidade da Califórnia, Los Angeles, quando descobriu que o apartamento de dois quartos que dividia com um colega de quarto estava infestado de mofo. Ele teve que se mudar imediatamente, mas teve dificuldade em encontrar uma nova moradia.

“Achei muito difícil encontrar algo que fosse bem próximo do campus, com um preço razoável, e também era no meio do ano letivo”, disse Wang, que havia atingido o limite de três anos de moradia estudantil da UCLA, que permitia que ele pagasse US$ 1.425 (R$ 7.780,78) por mês de aluguel, em vez da taxa de mercado de US$ 2.000 (R$ 11 mil) ou mais.

Ao mesmo tempo, Li, 24, enfermeira registrada, descobriu que uma de suas duas colegas de quarto estava se mudando do apartamento de três quartos, perto de Santa Mônica, na Califórnia, no meio do contrato de aluguel, de US$ 5.000 (R$ 27,3 mil) por mês. Li e Wang perceberam que poderiam resolver ambos os problemas se Wang se mudasse para o apartamento de Li.

Li e a colega de quarto pagam US$ 1.750 (R$ 9.500) por mês, e Wang paga US$ 1.500 (R$ 8.190).

“Acho que o nosso plano sempre foi morarmos juntos depois que ele terminasse sua residência, não depois de se formar na faculdade de medicina”, disse Li. “Mas a oportunidade se apresentou mais cedo, e conseguimos manter este apartamento e economizar algum dinheiro enquanto fazíamos isso.”

Li e Wang estão entre muitos casais jovens que optam por morar juntos antecipadamente em seus relacionamentos para economizar dinheiro com moradia e custos de vida. Diante de um baixo estoque de moradias acessíveis, forte concorrência entre compradores e locatários, uma lenta queda nos preços dos aluguéis e aumento das taxas de hipoteca, jovens em todo o país estão sendo empurrados a encontrar maneiras criativas de arcar com os custos de moradia.

“As gerações mais jovens realmente precisam procurar maneiras de economizar e reduzir seus custos de moradia, especialmente em grandes cidades onde os aluguéis e os preços das casas ainda são muito altos”, disse Hannah Jones, analista sênior de pesquisa econômica da Realtor.com.

De acordo com uma pesquisa recente da Realtor.com, 80% dos entrevistados da geração Z e 76% dos entrevistados millennials que moram com seus parceiros disseram que finanças ou logística, ou ambos, contribuíram para sua decisão.

O apartamento de Li e Wang fica no último andar de um prédio de médio porte, que tem uma academia. O apartamento tem lavanderia interna e eletrodomésticos novos e fica perto da praia e das principais rodovias.

Eles dividem igualmente o custo das contas mensais de serviços públicos e mantimentos com a outra colega de quarto. “Na verdade, elas me deram um desconto quando me mudei para cá, porque eu não tinha salário até recentemente”, disse Wang, que acabou de começar seu programa de residência e tem mais de US$ 200 mil (R$ 1,09 milhão) em dívidas da faculdade.

Li e Wang disseram que, desde que começaram a morar juntos, melhoraram sua comunicação e se tornaram melhores em priorizar o tempo juntos. Mas continuam trabalhando para mesclar seus estilos de vida. “Mesmo com colegas de quarto, é preciso respeitar os limites e tudo mais”, disse Li. “Mas quando é seu parceiro, sinto que o espaço que você compartilha é muito mais íntimo.”

Embora dividir o custo do aluguel tenha seus benefícios, morar junto cedo em um relacionamento pode causar problemas se um casal ainda não tiver uma boa compreensão dos estilos de comunicação e habilidades de resolução de conflitos um do outro, disse Nicolle Osequeda, terapeuta de casais e famílias licenciada em Chicago.

“Se houver diferenças significativas e não houver uma base sobre como falamos sobre coisas difíceis, seja finanças ou qualquer outra coisa, então isso pode exacerbar algumas dessas tensões que você já sentiria”, disse Osequeda, que se especializa em trabalhar com jovens adultos e jovens casais em transições de vida.

Depois de sete meses de namoro, Kaitlin Cadagin, 26, e seu namorado de 28 anos se mudaram para um apartamento de um quarto em um arranha-céu no centro de Chicago.

O apartamento deles custava US$ 2.400 (R$ 13,1 mil) por mês de aluguel e oferecia várias comodidades, incluindo uma área para cães, uma sala de conferências e lavanderia na unidade. O casal decidiu dividir o aluguel com base em suas rendas: Cadagin, gerente de eventos, pagava US$ 1.000 (R$ 5.460) por mês, e seu namorado, advogado licenciado, pagava os US$ 1.400 (R$ 7,6 mil) restantes.

“Eu entrei nisso dizendo: ‘Posso pagar US$ 1.000 como minha parte do aluguel'”, disse Cadagin, que anteriormente alugava um apartamento de dois quartos com um colega em outra área de Chicago, onde cada um pagava US$ 900 (R$ 4.914) por mês.

Quando seu colega de quarto decidiu se mudar, Cadagin disse que ela e seu namorado concluíram que morar juntos seria mais econômico para Cadagin do que se ela alugasse um apartamento sozinha. Cadagin disse que poderia se dar ao luxo de morar sozinha, mas preferiu economizar dinheiro morando com outra pessoa.

“Comecei a olhar programas de mestrado este ano, então as finanças estão sempre na minha mente”, disse ela.

Ao pagar por serviços públicos e mantimentos, o casal dividia o custo igualmente. No entanto, manter o controle de suas finanças compartilhadas nem sempre foi perfeito, disse Cadagin. “Ele é muito cuidadoso com suas finanças, e às vezes eu não sou”, disse ela.

O namorado de Cadagin, que pediu para não ser identificado por motivos de privacidade, disse que embora não tivessem feito um bom trabalho em estabelecer expectativas financeiras antes de morarem juntos, aprenderam a definir melhor metas financeiras juntos e se tornaram um casal mais forte.

No geral, Cadagin disse que morar com seu namorado tem sido uma experiência positiva, e ela sente que seu relacionamento ainda tem espaço para crescer. “Acho que definitivamente foi um teste para o nosso relacionamento morar juntos, mas também o fortaleceu muito, e me sinto muito confortável com ele”, disse ela.

Mas nem todos os relacionamentos sobrevivem depois que um casal mais novo decide morar junto.

Em junho de 2021, Eva Hersch, 26, e seu namorado se mudaram juntos para Philadélphia depois de um ano de namoro em Nova York, onde moravam separadamente: Hersch alugava um pequeno estúdio por US$ 2.000 por mês (R$ 11 mil), e seu namorado alugava um pequeno apartamento de um quarto por US$ 1.900 por mês (R$ 10, 4 mil) —um “negócio da Covid” que logo seria aumentado para US$ 3.200 (R$ 17,5 mil) por mês.

Quando Hersch recebeu uma oferta de emprego na Philadélphia, ela o convenceu a se mudar com ela. Eles escolheram um apartamento de dois quartos por US$ 4.000 (R$ 22 mil) por mês e dividiram o aluguel igualmente. “Isso era tão barato comparado ao que cada um de nós estava pagando em Nova York”, disse Hersch.

Dois anos depois, Hersch e seu namorado decidiram terminar o relacionamento e se mudar do apartamento, o que exigiu que eles quebrassem o contrato de locação.

Hersch, que agora mora em Norwalk, Connecticut, disse que morar com seu namorado parecia ser a “coisa certa a fazer” na época. Eles compraram um carro juntos e dividiram o pagamento mensal igualmente; eles também dividiram igualmente o custo de utilidades e mantimentos.

“Foi o momento em que todo mundo estava fazendo a mesma coisa se estivesse em um relacionamento”, disse Hersch, que acrescentou que morar com seu namorado a ensinou muito sobre si mesma e sobre o que ela queria em um relacionamento futuro. Olhando para trás, ela disse que gostaria que tivessem esperado mais tempo para morar juntos.

“Foi bom tentar”, disse Hersch. “Vai demorar muito para eu entrar em outro relacionamento agora.”

Com New York Times e Folha de São Paulo