João Pessoa 23.13ºC
Campina Grande 21.9ºC
Patos 22.8ºC
IBOVESPA 121341.13
Euro 5.8132
Dólar 5.4301
Peso 0.006
Yuan 0.748
Paraíba fica de fora na lista final dos 37 ministros do novo governo Lula
29/12/2022 / 14:05
Compartilhe:

O presidente eleito Luiz Inácio Lula da Silva (PT) anunciou na tarde desta quinta-feira (29.12) os últimos 16 ministros que restavam serem confirmados oficialmente.

Ao todo, o novo governo terá 37 ministérios. O MDB ficou com três pastas: Planejamento, Cidades e TransportesO União Brasil ganhou o ministério do Turismo e das Comunicações. O PDT está representado na Previdência e no Ministério da Integração. O PT ficou com a maioria.

Durante a coletiva, o petista afirmou que “nunca houve tantas mulheres ministras” na história do país. Ele também anunciou que as presidências do Banco do Brasil e da Caixa serão ocupadas por mulheres. Ao todo, o novo governo contará com 11 mulheres ministras. O máximo havia sido com a ex-presidente Dilma  – nove ministras.

A ex-ministra e deputada federal eleita por São Paulo, Marina Silva (Rede) voltará a ocupar a pasta do Meio Ambiente na nova gestão do petista.

A senadora Simone Tebet (MDB-MS), que ficou em terceiro lugar nas eleições presidenciais, comandará o Ministério do Planejamento. Ao anunciá-la, Lula afirmou que Tebet foi uma adversária, mas se tornou uma “aliada extraordinária no segundo turno”.

O presidente do PDT, Carlos Lupi, será o novo ministro da Previdência Social. O partido teve Ciro Gomes como candidato à Presidência em 2022.

Lula anunciou ainda os líderes do governo no parlamento. O senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) assumirá a liderança no Congresso. Em 2021, Randolfe ganhou destaque na vice-presidencia da CPI da Covid no Senado. O deputado José Guimarães (PT-CE) e o senador Jaques Wagner (PT-BA) assumirão as lideranças na Câmara e no Senado, respectivamente.

O general Gonçalves Dias, que foi chefe da segurança de Lula por oito anos, será ministro do Gabinete de Segurança Institucional. Já o deputado federal reeleito Paulo Pimenta (PT-RS) foi escolhido para a Secretaria de Comunicação Social (Secom).

No Ministério da Agricultura e Pecuária, Lula anunciou o senador pelo Mato Grosso, Carlos Fávaro (PSD-MT). Ele foi um dos coordenadores do grupo técnico de agricultura durante a transição governamental.

O deputado federal André de Paula (PSD-PE) será o novo ministro da Pesca e Aquicultura.

Pasta que será recriada pelo novo governo Lula, o Ministério das Cidades vai ser liderado por Jader Filho, presidente do MDB do Pará e empresário da comunicação. Jader é uma indicação do MDB.

Deputado federal, o maranhense Juscelino Filho (União-MA) é um dos nomes do União Brasil que irá fazer parte do governo, como ministro das Comunicações.

Senador por Minas Gerais, Alexandre Silveira (PSD-MG) assumirá o Ministério de Minas e Energia. Já a pasta do Desenvolvimento Agrário ficou com o deputado federal reeleito Paulo Teixeira (PT-SP).

Ex-jogadora de vôlei, Ana Moser será a nova ministra do Esporte, pasta que também será recriada a partir de janeiro.

Outra representante do União Brasil é a deputada federal eleita pelo Rio de Janeiro, Daniela Souza Carneiro, escolhida como ministra do Turismo.

Maranhense, ativista pelos direitos indígenas e eleita deputada federal pelo estado de São Paulo, Sonia Guajajara (PSOL) ocupará o inédito Ministério dos Povos Indígenas.

Renan Filho (MDB-AL), senador eleito, assumirá o Ministério dos Transportes no novo governo. Ele é ex-governador de Alagoas e filiado ao MDB.

Lula também anunciou que o atual governador do Amapá, Waldez Góes (PDT), será o ministro da Integração e Desenvolvimento Regional. Segundo o petista, Góes foi uma indicação do União Brasil e deve se licenciar do PDT para assumir o novo compromisso.

“Quero que vocês façam parte da história política desse pais, momento que tivemos coragem de assumir o Brasil numa situação extremamente delicada, destruído em muitas das coisas que fizemos, quase tudo na área social foi desmontado e teremos que montar tudo outra vez”, afirmou o petista durante a transmissão da coletiva.