24.1 C
João Pessoa
21.9 C
Campina Grande
21.5 C
Brasília

Pesquisa revela que risco de contágio em ônibus não é maior que em outros locais com pessoas

Estudo técnico foi realizado pela Associação Nacional das Empresas de Transportes Urbanos (NTU). Higienização e uso constante da máscara são essenciais.

Pelas recomendações de distanciamento físico e de evitar locais com muitas pessoas, o transporte público vem sendo tema de constantes debates e receios desde o início da pandemia. Nem todos os usuários puderam (ou podem) ficar trabalhando em casa, por isso, o transporte público é essencial para aqueles que precisam sair para desempenhar suas atividades profissionais ou resolver situações essenciais.

Para obter dados sobre os riscos reais do setor e fugir da opinião do senso comum, a Associação Nacional das Empresas de Transportes Urbanos (NTU) realizou o estudo técnico “Análise da Evolução das Viagens de Passageiros por Ônibus e dos Casos Confirmados da Covid-19” para verificar a relação transporte público e contaminação por Sars-Cov-2. O estudo pode ser conferido através do link.

Leia Também

A pesquisa foi realizada com dados de passageiros transportados em 15 sistemas de transporte que englobam 171 municípios. Esses dados foram cruzados com registros de casos da doença pelo Sistema Único de Saúde (SUS) nas mesmas cidades e concluiu-se que não há evidências estatísticas de que uma coisa esteja relacionada com a outra.

A metodologia utilizada para a análise estatística dos resultados foi o coeficiente de Pearson, que mede o grau de correlação e sua direção, se positiva ou negativa, entre duas variáveis. Ele admite valores entre -1 e +1, sendo que, nos extremos, 0,9 para mais ou para menos significa uma correlação muito forte, enquanto 0,3 a 0,5 positivo ou negativo indica correlação fraca e 0 a 0,3 positivo ou negativo revela correlação desprezível ou falta de correlação.

A análise constatou uma variação considerável nos dois indicadores, tanto de casos confirmados quanto de viagens realizadas. Nas sete primeiras semanas (da 14ª até a 20ª) e nas cinco últimas (da 26ª até a 30ª), a demanda do transporte coletivo por ônibus foi superior ao registro de contaminações pelo coronavírus. Por outro lado, entre a 21ª e a 25ª semana, o número de casos foi superior às viagens. As ocorrências de Covid-19 foram analisadas em 17 semanas epidemiológicas, de 29 de março a 25 de julho de 2020.

Apesar de a pesquisa ter apontado que o risco de contágio no ônibus é o mesmo de outros ambientes com várias pessoas, o cuidado individual, como uso apropriado da máscara e higienização das mãos, além dos protocolos de segurança do setor são essenciais, como aponta o diretor institucional do Sintur-JP, Isaac Júnior Moreira.

“Nos ônibus, o uso de máscara por funcionários do sistema e passageiros é essencial e obrigatório. As janelas estão sempre abertas para facilitar a circulação e renovação do ar. Desde o início da pandemia, estamos reforçando a higienização da frota. Os veículos são higienizados antes de saírem das garagens, durante a jornada e no fim do dia, quando retornam. No interior dos ônibus, também há pontos com álcool em gel. Além disso, estimulamos com campanha publicitária o uso do cartão Passe Legal para pagamento das passagens, uma vez que seu uso é pessoal e de fácil higienização”, complementou Isaac.

De acordo com estudos médicos recentes, a adoção de medidas preventivas continua sendo a melhor opção para enfrentar o vírus. O passageiro que tiver que utilizar o transporte público deve sempre usar a máscara cobrindo o nariz e a boca e, se possível, higienizar as mãos antes e depois das viagens.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

#PUBLICIDADE#

Mais Lidas

ENQUETE F5: Se as eleições fossem hoje Pedro Cunha Lima seria o novo governador da Paraíba

O programa F5 da Rádio POP FM realizou uma enquete com os ouvintes e expectadores que acompanharam a transmissão...

DATAVOX: João Azevêdo lidera com 40,7% das intenções de voto na 1ª pesquisa para governo da PB em 2022

Realizada em parceria entre o Instituto Datavox e o portal PB Agora, a pesquisa aponta o deputado federal Pedro Cunha Lima (PSDB) em segundo lugar, com 14,2%. Em seguida vem o senador Veneziano Vital (MDB), com 6,6%, o ex-prefeito de João Pessoa, Luciano Cartaxo (PT) com 5,9%, Nilvan Ferreira (PTB) com 3,2% e a vice-governadora do estado, Lígia Feliciano (PDT) com 1%. Indecisos somam 20,3%, enquanto brancos e nulos representam 8,1%.

15 possíveis temas de redação para o Enem 2022

O Portal Nacional da Educação divulgou uma lista com os possíveis temas de redação para as provas do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem),...

Polícial Rodoviária Federal morre em Cabedelo

A policial rodoviária federal Renata Maia Pimenta, de 42 anos, morreu na noite desta sexta-feira (20) no prédio onde morava em Cabedelo. A informação...

Palco desaba e deixa formandos de medicina feridos na Grande João Pessoa

Duas  pessoas  foram socorridas com traumatismo craniano encefálico (TCE) após parte da estrutura de um palco desabar, no final da tarde deste sábado (21),...
#PUBLICIDADE#

ACHAMOS QUE VOCÊ VAI GOSTAR

#PUBLICIDADE#