Pesquisadores da UFPB desenvolvem aplicativo que monitora a saúde mental

A intenção dos pesquisadores é que o invento possa se tornar uma ferramenta de telemedicina

Pesquisadores do Programa de Pós-graduação em Neurociência Cognitiva e Comportamento (PpgNeC) desenvolveram o software “Neuropesquisa”, um aplicativo que fornece medidas sobre a saúde mental do usuário, de acordo com o movimento das mãos no celular.

O app foi criado pelo doutorando Danilo Andrade de Meneses, sob orientação do professor Luiz Carlos Serramo Lopez, no Laboratório de Ecologia Comportamental e Psicobiologia, do Centro de Ciências Exatas e da Natureza (CCEN), no Campus I, em João Pessoa.

Leia Também

O software está disponível na Play Store, de forma gratuita, para o sistema Android. De acordo com o doutorando Danilo Meneses, a forma de digitar no smartphone pode demonstrar comportamentos depressivos, estressores ou oscilantes no parâmetro “humor”, o que pode contribuir para diagnósticos de depressão, ansiedade e transtorno bipolar.

A intenção dos pesquisadores é que o invento possa se tornar uma ferramenta de telemedicina. O professor Luiz Lopez contou que o aplicativo consegue oferecer informações sobre o estado de estresse do corpo de uma pessoa à distância.

“Para isso, usamos os próprios sensores do celular, que o usuário autoriza, antes de responder alguns questionários. O aparelho vai captando informações sobre como a pessoa está se sentindo naquele momento. Com isso, temos uma ideia, sobre o estado emocional daquele indivíduo”, explicou o docente.

Ao abrir o aplicativo, o usuário aciona os dados do acelerômetro e giroscópio, que ficam dentro do dispositivo móvel. Depois disso, ele vai preenchendo as perguntas e os movimentos que ele faz no celular são os dados de interesse da pesquisa.

“Será que pessoas muito estressadas movem o celular ou digitam de uma determinada forma? Será que pessoas depressivas movimentam o celular de outra maneira? Por meio do tempo de reação deles, vamos saber se esse movimento corresponde a tipos de informação emocional, como o estresse, depressão, ansiedade e criatividade”, explicou Danilo Meneses.

Ao finalizar, o software pergunta se, ao responder, o usuário estava em pé, sentado, ou em algum local em movimento. “A postura e a forma de caminhar também são sinais de comportamentos sociais. Se a pessoa responde no carro, isso pode interferir quando a gente for entender o movimento da pessoa no celular”, relatou Danilo.

A identificação de um padrão de comportamento por meio do uso frequente de um aparelho digital é chamado de fenótipo digital, que é uma característica própria do usuário. O fenótipo digital fala sobre características cognitivas de um indivíduo que são expressas no uso de máquinas digitais.

Para Luciana Nascimento, servidora pública que usou a tecnologia, o aplicativo feito pela UFPB é bem completo e as perguntas são de fácil compreensão. “Demanda um tempinho para preencher, mas acredito que seja para ter qualidade nos dados obtidos. Além disso, o ponto mais importante é que vai poder ajudar a pesquisa científica neste país”, disse.

Com os resultados, os pesquisadores esperam contribuir para um futuro aplicativo que possa fornecer um diagnóstico introdutório. “Esperamos que as pessoas possam ter um parâmetro. Se a sua saúde mental aponta para um viés positivo ou negativo”, enfatizou o doutorando.

O app passou um ano para chegar à sua versão final, e até o momento conta com 71 downloads. Também participaram de seu desenvolvimento o professor Douglas Andrade, do Centro Universitário de João Pessoa (UNIPÊ), e Raymundo Martins, aluno da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras (FAFIC).

Como funciona

Ao entrar no aplicativo, o usuário gera um nome fictício e concorda com os termos para divulgação e participação. Em seguida, ele deve preencher o questionário sociodemográfico.

Em seguida o app oferece duas opções: ir para os questionários ou fornecer um depoimento. O botão do depoimento foi pensado como uma opção adicional, caso o usuário use o aplicativo pela primeira vez, ele só terá disponível o botão “questionários”, seguindo direto para as escalas (questionários).

As escalas colocadas no aplicativo foram: “abertura e experiência”, “criatividade”, “mindfulness”, “estresse, ansiedade e depressão” e “satisfação com a vida”. Elas estão divididas em 130 perguntas, curtas e de fáceis respostas.

“Precisamos de 200 pessoas para preencher a pesquisa e validar a escala de criatividade, pois não temos ela em português do Brasil. Como a criatividade é um fator importante para minha pesquisa, a gente está fazendo esse processo de validação”, destacou Danilo.

#PUBLICIDADE#

Mais Lidas

WILLOW e Avril Lavigne celebram o pop punk dos anos 2000 no clipe de ‘G R O W’

Com 2 minutos e 9 segundos de duração, o vídeo traz as artistas celebrando o direito a confusão e ao amadurecimento, enquanto viram gigantes e dominam as ruas de um bairro. "Estou tão animada por ter uma música no álbum com Avril Lavigne. Ela é tão icônica. Dos 13 aos 16, ela era meu ídolo. É muito bom poder ter um verdadeiro álbum Pop Punk com a rainha do Pop Punk", disse a artista em entrevista de divulgação. A estética e sonoridade pop punk e rock expressos por WILLOW em 'Lately I Feel EVERYTHING' canalizam os heróis que a jovem ouvia na adolescência, como Lavigne, My Chemical Romance e Paramore. O disco evidencia a versatilidade e rebeldia da "filha de Will Smith", que já dominou as paradas pop mainstream no início da carreira e passeia com fluidez do new age ao punk e R&B.

Hospital Napoleão Laureano fornecerá 1000 mamografias à população durante o Outubro Rosa

O diagnóstico precoce é um importante caminho para prevenir e salvar vidas e o Hospital Laureano, o maior centro de tratamento oncológico da Paraíba, tem uma atenção ainda mais reforçada durante a campanha do Outubro Rosa. 

Celeiro Espaço Criativo terá o nome do cantor Gabriel Diniz e inaugura memorial em homenagem ao artista

A cerimônia contará ainda com a abertura de uma exposição fotográfica que relembra a trajetória do cantor, que faleceu em maio de 2019. Intitulada "A Intensidade do ser: Gabriel Diniz", a mostra trará, além de imagens, objetos pessoais do cantor, para relembrar ao público traços da vida pessoal e profissional do artista. O evento está marcado para acontecer a partir das 17h, no Celeiro Espaço Criativo, situado à Rua João Cirilo da Silva, 850, no Altiplano. A exposição acontece paralelamente à inauguração de um memorial em homenagem ao cantor, que faleceu no dia 27 de maio de 2019, vítima de um acidente aéreo na região de manguezal de Porto do Mato, próximo à divisa entre Sergipe e Bahia. O evento ainda vai contar apresentações musicais do cantor Luca Bass, Banda Big Band e ainda uma apresentação especial de Brenda Victória da Silva Beltrão, 14 anos, aluna da Escola Municipal Cícero Leite.

Globo perde exclusividade de direitos digitais da Copa do Mundo de 2022

Após ir à Justiça contra a Fifa para reduzir o valor das parcelas de seu acordo de TV pela Copa do Mundo, a Globo renunciou à exclusividade nos direitos de transmissão pela internet do torneio no Qatar, que será realizado de 21 de novembro a 18 de dezembro do ano que vem. Com isso, a entidade que controla o futebol mundial tem oferecido pacotes de jogos da competição por streaming diretamente às plataformas digitais no Brasil. Youtube, Facebook e TikTok, por exemplo, já foram procurados e estudam a viabilidade do negócio. A emissora carioca continuará exibindo as partidas do Mundial na televisão aberta e no seu canal esportivo por assinatura, o Sportv. No entanto, não terá exclusividade nas plataformas digitais, seja no Globoplay (streaming) -o app tem sido uma grande aposta do grupo- ou em seus portais na internet, que transmitiram jogos ao vivo das Copas de 2010, 2014 e 2018. É a primeira vez que a Fifa assume a negociação dos direitos da Copa do Mundo com redes sociais, e o Brasil tem sido uma oportunidade para a entidade experimentar o modelo.

Juliette vira personagem de jogo online desenvolvido por estudante paraibano

“Tenho trabalhado cerca de 6 horas por dia no jogo, todos os dias. Criando o conceito, desenhos, animações, programação e gravando, editando pra postar no Instagram. [Na vida real] é lógico que ela vai sair campeã da casa, a quantidade de cactos [apelido dos fãs da participante] só vai aumentar e ela vai continuar sendo o fenômeno que é, mesmo após o fim do programa”, explica o estudante. 
#PUBLICIDADE#

ACHAMOS QUE VOCÊ VAI GOSTAR

#PUBLICIDADE#