João Pessoa 23.13ºC
Campina Grande 21.9ºC
Patos 24.28ºC
IBOVESPA 124305.57
Euro 5.6025
Dólar 5.1645
Peso 0.0058
Yuan 0.7135
Pets podem ficar doentes caso picados pelo Aedes Aegypti
10/02/2024 / 13:03
Compartilhe:

O Aedes Aegypti é um mosquito vetor de muitas arboviroses como Dengue, Zica Vírus, Chikungunya e Febre Amarela. Ele também pode transmitir a Dirofilaria immitis, o ‘verme do coração’ causador da Dirofilariose que causa uma série de problemas e ainda pode levar pets à morte.

O Conselho Regional de Medicina Veterinária da Paraíba (CRMV-PB) destaca a importância de adotar medidas de prevenção, para evitar a proliferação do mosquito da dengue. Segundo o Ministério da Saúde, 75% dos focos do mosquito se encontram nas casas.

O médico-veterinário Altamir Costa, conselheiro do CRMV-PB, afirma que o Aedes Aegypti é perigoso também para cachorros e gatos, pois ele é vetor da doença popularmente conhecida como verme do coração. Ela também atinge seres humanos e é considerada uma zoonose. “A principal forma de evitar problemas mais graves é a prevenção. Por isso, é importante evitar água parada em recipientes, inclusive, o pote de água do seu animal de estimação”, recomenda.

Altamir explica que a doença causa sérios problemas de saúde e pode levar à morte de gatos e cachorros. Entre os principais sintomas estão dificuldade para respirar, cansaço, tosse, perda de peso e mucosas arroxeadas. ”Infelizmente, não existe uma medicação específica e nós vamos tratando os sintomas”, falou, acrescentando que o início da doença é silencioso.

De acordo com o médico-veterinário, além de manter o ambiente limpo, outra forma de prevenir é utilizar nos pets uma coleira que é antiparasitária e repelente.

O profissional explica que a proliferação da Dirofilaria immitis acontece quando o mosquito se alimenta de sangue de um animal doente, pois os vermes adultos se alojam no coração e produzem larvas muito pequenas que ficam na corrente sanguínea. Ao se alimentar, o mosquito contrai esta pequena larva.

Zoonoses – Zoonoses são doenças transmitidas de animais para humanos ou de humanos para os animais, comprovando o quanto a saúde humana e a animal estão indissoluvelmente ligadas. Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), as zoonoses são responsáveis por cerca de 2,4 bilhões de casos de doenças e 2,2 milhões de mortes por ano, o que representa um grande desafio para a saúde pública e a segurança alimentar.

Confira as recomendações do Ministério da Saúde para evitar a reprodução do Aedes aegypti em casa:

Utilize telas de proteção com buracos de, no máximo, 1,5 milímetros nas janelas da casa;

Deixe as portas e janelas fechadas, principalmente nos períodos do nascer e do pôr do sol;

Mantenha o terreno de casa sempre limpo e livre de materiais ou entulhos que possam ser criadouros;

Tampe os tonéis e caixas d’água;

Mantenha as calhas sempre limpas;

Deixe garrafas sempre viradas com a boca para baixo;

Mantenha lixeiras bem tampadas;

Deixe ralos limpos e com aplicação de tela;

Limpe semanalmente ou preencha pratos de vasos de plantas com areia;

Limpe com escova ou bucha os potes de água para animais;

Limpe todos os acessórios de decoração que ficam fora de casa e evite o acúmulo de água em pneus e calhas sujas, por exemplo;

Deixe portas e janelas fechadas, principalmente nos períodos do nascer e do pôr do sol;

Coloque repelentes elétricos próximos às janelas – o uso é contraindicado para pessoas alérgicas;

Velas ou difusores de essência de citronela também podem ser usados;

Evite produtos de higiene com perfume, pois podem atrair insetos;

Retire água acumulada na área de serviço, atrás da máquina de lavar roupa;

Coloque areia nos vasos de plantas.