João Pessoa 25.13ºC
Campina Grande 20.9ºC
Patos 28.61ºC
IBOVESPA 128896.98
Euro 5.9176
Dólar 5.4291
Peso 0.0059
Yuan 0.7487
Pix: Banco Central cria nova faixa de horário para limite noturno de R$ 1.000
20/11/2021 / 18:55
Compartilhe:

BRASÍLIA, DF — O Banco Central criou, em norma publicada na sexta-feira (19), uma nova faixa de horário para o período noturno no Pix e outros canais digitais de transferência entre pessoas, quando o limite padrão deve ser de R$ 1.000. Com a mudança, o cliente poderá escolher entre 20h às 6h, que é o padrão, e 22h às 6h.

Todas as instituições participantes do Pix deverão incluir a nova faixa de horário até 29 de julho de 2022.

Antes, o BC havia estabelecido que o período noturno fosse de 20h às 6h, mas com possibilidade de ajuste por parte do usuário. Agora, ele pode escolher apenas entre as duas faixas de horário. A mudança foi feita para facilitar a operacionalização das faixas de horário.

O valor do limite noturno ainda pode ser modificado pelo cliente, tanto para cima quanto para baixo, conforme sua necessidade, mas não por iniciativa do banco. Como padrão, todos que abrirem conta em uma instituição financeira terão R$ 1.000 para operações entre 20h e 6h inicialmente.

A medida, que entrou em vigor em 4 de outubro, também vale para TED (Transferência Eletrônica Disponível) e cartão de débito quando utilizado para fazer transferência, com o WhatsApp Pay, por exemplo. O objetivo é aumentar a segurança e reduzir a vulnerabilidade dos sistemas às ações de criminosos.

Em operações realizadas durante o dia, permanece a regra de que o limite oferecido para o Pix tem que ser o mesmo da TED, também podendo ser modificado pelo cliente.

Depois do lançamento do Pix, em novembro do ano passado, criminosos têm tirado vantagem da facilidade e da rapidez do sistema de pagamentos instantâneos para aplicar golpes ou para pedir que a vítima transfira grandes quantias durante roubos ou sequestros.

Para aumentar a segurança em operações com o Pix, o BC anunciou uma série de mudanças nas regras do sistema de pagamentos. Na última terça-feira (16), o sistema passou a contar também com outras medidas de segurança. Começou a valer o mecanismo especial de devolução, que permite que o banco estorne valores para a conta do pagador em casos de fraude ou falha operacional.

Além disso, entram em vigor nesta terça também a possibilidade de o banco reter uma operação suspeita no Pix por até 72h para análise e a obrigatoriedade da notificação de infração, que antes era facultativa.

A notificação funciona como uma marcação na chave Pix feita pelo banco, no CPF ou CNPJ do usuário e no número da conta, quando é constatada a fraude. Essas informações serão compartilhadas com as demais instituições sempre que houver uma consulta. Com isso, o BC espera que as contas de laranjas possam ser identificadas.

Informações: FOLHAPRESS