João Pessoa 29.13ºC
Campina Grande 24.9ºC
Patos 34.73ºC
IBOVESPA 121881.67
Euro 5.7465
Dólar 5.2808
Peso 0.0059
Yuan 0.7287
Presidente do Aeroclube de Campina Grande realiza voos sem habilitação; Ministério Público investiga irregularidades
14/05/2024 / 17:08
Compartilhe:
Presidente do Aeroclube de Campina Grande, Ricardo César Nóbrega Chaves

O MPE (Ministério Público Estadual) e o MPF (Ministério Público Federal) receberam denúncia de que Ricardo César, presidente do Aeroclube de Campina Grande estaria pilotando uma aeronave, realizando voos entre os estados da Paraíba, Pernambuco e Rio Grande do Norte, sem estar devidamente habilitado para realizar estes voos e sem fazer plano de voo.

Além de estar pilotando uma aeronave sem carteira de piloto válida e à revelia do controle de tráfego aéreo, Ricardo estaria participando de eventos aeronáuticos, que são encontros festivos que reúnem grandes multidões de espectadores.

As denúncias foram protocoladas e recebidas pelo MPE e MPF, que transformaram em Denúncia de Fato e foram apresentadas pelo advogado e também paraquedista Demétrius Mendes de Carvalho.

Foram anexadas à denúncia inúmeras evidências das violações ao Código Aéreo Brasileiro cometidas por Ricardo Cesar, dentre elas é possível destacar: cópia de sua CHT – Certificado de Habilitação Técnica já vencido e fotos e vídeos publicados em redes sociais que comprovam a presença dele e de sua aeronave participando de tais eventos.

A primeira e talvez a mais grave infração cometida pelo piloto foi a de realizar um voo sem a apresentação de um plano de voo aos órgãos de controle. A infração colocou em risco a vida de várias pessoas, em risco de desastre aéreo. O motivo é que todas as outras aeronaves que estavam em voo regular não teriam como saber que a aeronave de Ricardo estaria, em sua rota de voo.

No próprio Aeroclube, os MPs devem apurar também a conivência dos demais dirigentes da instituição. Essa responsabilidade solidária existe, pois em uma organização como um Aeroclube, é obrigatória a existência de uma diretoria de Segurança Operacional (SGSO), que fiscaliza procedimentos e regula a segurança operacional do aeroclube. Até mesmo a própria secretária do Aeroclube é corresponsável, pois ela cuida do cadastro de todos os membros da entidade e deveria ser a primeira a alertar ao setor de segurança operacional de que a carteira de piloto de um de seus membros estaria vencida.

F5 Online com informações de Polêmica Paraíba