Projeto discute machismo e direitos da mulher com homens acusados de violência em Bayeux

Lançamento da 2ª turma aconteceu nesta quinta-feira (17), em uma solenidade no Conjunto Mário Andreazza

Uma parceria entre o Ministério Público da Paraíba (MPPB), por meio da Promotoria de Justiça de Defesa da Mulher de Bayeux, e o Serviço Pastoral dos Migrantes do Nordeste (SPM-NE) está levando reflexões sobre gênero, patriarcado e machismo para homens que respondem a processos por violência contra mulheres.

Trata-se do projeto ‘Refletir’, que tem o objetivo de despertar consciência e evitar casos de reincidência. O lançamento da 2ª turma aconteceu nesta quinta-feira (17), em uma solenidade na sede do SPM, no Conjunto Mário Andreazza, em Bayeux.

Por meio de oficinas, a iniciativa busca combater a violência de gênero e oferecer uma formação sobre os direitos das mulheres.

Leia Também

“O projeto tem o objetivo de levar esses homens a refletirem sobre as próprias condutas e nós fazemos isso a partir de discussões sobre gênero, cultural patriarcal e a Lei Maria da Penha”, explica o educador Diego da Silva Jacinto. Segundo ele, as oficinas geram mudança de comportamento nos homens que participam das atividades.

Fabiana Lobo, promotora de Justiça de Defesa da Mulher de Bayeux, conta que o projeto nasceu em João Pessoa e, atualmente, experiências similares estão sendo replicadas em outros municípios pelo MPPB.

De acordo com ela, a implantação das oficinas é uma medida necessária, especialmente em Bayeux, tendo em vista o grande volume de casos de violência doméstica.

“Em Bayeux nós temos percebido que a violência contra a mulher é muito grande, desde as ameaças até atos extremos. A questão da posse e não aceitar o fim do relacionamento é uma das principais motivações para as agressões, por isso o projeto Refletir seleciona homens em processo de violência. Quando vamos analisar os casos e fazer a triagem percebemos que há muitos homens empregados, com família constituída, mas esse comportamento pode ser revertido”, destacou.

O curso tem uma carga horária total de 20h, com um encontro por semana. Os homens que participam acabam tendo o curso como um atenuante a ser levado em consideração pelo magistrado no julgamento do processo.

Mesmo após o encerramento das oficinas, o MPPB continua monitorando os homens inscritos no projeto por mais seis meses, para se certificar de que os acusados não reincidiram na prática criminosa.

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

#PUBLICIDADE#

Mais Lidas

Juliette vira personagem de jogo online desenvolvido por estudante paraibano

“Tenho trabalhado cerca de 6 horas por dia no jogo, todos os dias. Criando o conceito, desenhos, animações, programação e gravando, editando pra postar no Instagram. [Na vida real] é lógico que ela vai sair campeã da casa, a quantidade de cactos [apelido dos fãs da participante] só vai aumentar e ela vai continuar sendo o fenômeno que é, mesmo após o fim do programa”, explica o estudante. 

Sebrae PB e prefeitura de São João do Tigre criam perfil socioeconômico e empresarial da cidade

De acordo com os dados apresentados pelo perfil socioeconômico e empresarial de São João do Tigre, o município conta com 56 empresas ativas, sendo 96% delas pequenos negócios, ou seja, microempreendedores individuais (MEI), microempresas e empresas de pequeno porte. Ainda conforme os dados, no município 56% das empresas formais são do setor do comércio, 20% dos serviços, 7% da indústria e 7% do agronegócio.

Dois anos e meio, seis concursos: obra de engenheiro

Ao anunciar o concurso da Fundação PB Saúde onde serão ofertadas 4.401 vagas para área médica e técnica, o governador enterra de vez o modelo de contratação através de organizações sociais, que até gerou bons resultados, mas desviaram recursos públicos como mostrou a operação Calvário. 

O pacote de Cícero e os reflexos políticos

Cícero era cobrado nos bastidores para apresentar algo do gênero, pois venceu a eleição, prometendo colocar a cidade no século XXI. Ao lançar o programa, mostra que se preparou nos últimos cinco meses arrumando a casa para promover os avanços esperados. 

Julian Lemos: Bolsonaro não é santo nem mito

Ele diz que o governo está afundando porque o presidente é um especialista em transformar amigo em inimigo: "Perder um Sérgio Mouro, que é um homem de bem, é um exemplo de que esse homem não tem nada de santo, nem mito", bradou o parlamentar.
#PUBLICIDADE#

ACHAMOS QUE VOCÊ VAI GOSTAR

#PUBLICIDADE#