23.3 C
João Pessoa
21.9 C
Campina Grande
8.5 C
Brasília

Projetos fomentados pelo Governo da Paraíba para combater a Covid-19 obtêm Carta Patente

Trata-se de dois projetos de pesquisa para o desenvolvimento de ventiladores pulmonares financiados pelo Estado, por meio da Fapesq, que vão contribuir para combater a pandemia do novo coronavírus

O governador João Azevêdo destacou, nesta segunda-feira (12), a importância de projetos de pesquisa fomentados pelo Governo do Estado conquistarem o Depósito de Pedido de Patente de Invenção concedido pelo Instituto Nacional da Propriedade Industrial e em breve poderem entrar em linha de produção.

Trata-se de dois projetos de pesquisa para o desenvolvimento de ventiladores pulmonares financiados pelo Governo da Paraíba, por meio da Fundação de Apoio à Pesquisa da Paraíba (Fapesq), que vão contribuir para combater a pandemia do novo coronavírus.

Leia Também

João Azevêdo ressaltou que no início da pandemia, o Governo lançou dois editais, no valor de R$ 2 milhões para fomentar projetos de combate à Covid.

“Tivemos 18 projetos importantes e alguns já estão dando resultados. Projetos como estes ventiladores pulmonares que estão na reta final de receber o registro e entrar em linha de produção. Isso é extraordinário, porque é o equipamento saindo dos bancos da Universidade para chegar à ponta e beneficiar o cidadão. É bom lembrar que no início da pandemia, tivemos problemas de aquisição de ventiladores pulmonares. Através da Fapesq, pudemos fomentar diversos projetos importantes”, frisou o governador.

A patente garante ao titular os direitos de propriedade da invenção no Brasil previstos na legislação em vigor. Os projetos foram desenvolvidos na Universidade Federal da Paraíba e na Universidade Estadual da Paraíba. Eles foram selecionados por meio do Edital Covid-19, cujo recurso total foi da ordem de R$ 2 milhões provenientes do Governo da Paraíba e da Assembleia Legislativa da Paraíba.

Foram aprovados 18 projetos no total, com propostas para contribuir para a rápida implementação de soluções de monitoramento, análise e recomendações frente à pandemia da Covid-19.

Os projetos de ventiladores pulmonares se utilizam de tecnologia nacional e possuem baixo custo de produção, comparados aos equipamentos importados. Contudo, têm características diferentes.

O ventilador pulmonar da UFPB recebeu investimentos da ordem de R$ 160 mil. É um equipamento portátil, útil em unidades móveis e pode ser controlado de forma remota, por meio da conexão com dispositivos móveis. É possível monitorar, além da ventilação dos pacientes, a temperatura e a saturação de oxigênio no sangue, registro de eletrocardiograma e de pressão arterial.

O projeto foi coordenado pelo pesquisador Mário Ugulino, que fundou o Laboratório de Automação e Instrumentação em Química Analítica e Quimiometria (LAQA) do Departamento de Química.

O equipamento oriundo da pesquisa realizada no Núcleo de Tecnologias Estratégicas em Saúde (NUTES), da Universidade Estadual da Paraíba, em Campina Grande, envolve uma interface do usuário que possibilita a manipulação de diferentes variáveis utilizadas no tratamento do paciente por parte do profissional na UTI. É coordenado pelo professor Misael Morais.

Uma das características do projeto é a utilização de peças e componentes de grande disponibilidade no mercado ou que possam ser facilmente produzidos em larga escala. De modo importante, a inovação pretendida busca um produto cujo custo final permita que o SUS possa adquiri-lo a um preço inferior àqueles praticados antes da explosão da demanda e inflacionamento do mercado.

O registro de patente é um dos indicadores internacionais de inovação das universidades, também considerado no Brasil. As instituições de ensino superior recebem melhor classificação no ranking atestando a qualidade. Da mesma forma, a Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), fundação de fomento à pós-graduação no Brasil, também considera o pedido de depósito de patentes entre os requisitos para avaliação dos cursos superiores.

Os equipamentos estão em conformidade com as especificações da Anvisa e do Inmetro, órgãos que concedem a certificação para a produção no Brasil. Os protótipos passam por testes clínicos para, em seguida, serem encaminhados para obtenção da certificação.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

#PUBLICIDADE#

Mais Lidas

DATAVOX: João Azevêdo lidera com 40,7% das intenções de voto na 1ª pesquisa para governo da PB em 2022

Realizada em parceria entre o Instituto Datavox e o portal PB Agora, a pesquisa aponta o deputado federal Pedro Cunha Lima (PSDB) em segundo lugar, com 14,2%. Em seguida vem o senador Veneziano Vital (MDB), com 6,6%, o ex-prefeito de João Pessoa, Luciano Cartaxo (PT) com 5,9%, Nilvan Ferreira (PTB) com 3,2% e a vice-governadora do estado, Lígia Feliciano (PDT) com 1%. Indecisos somam 20,3%, enquanto brancos e nulos representam 8,1%.

15 possíveis temas de redação para o Enem 2022

O Portal Nacional da Educação divulgou uma lista com os possíveis temas de redação para as provas do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem),...

Pastor da primeira-dama Michelle Bolsonaro declara apoio a Sérgio Queiroz

O pré-candidato ao Senado pelo PRTB, Sérgio Queiroz, recebeu mais um apoio nacional. O pastor da primeira dama do Brasil, Michelle Bolsonaro, Josué Valandro...

7 carros que serão lançados no Brasil ainda em 2022

Mesmo com restrições causadas pela pandemia, 2021 teve lançamentos “de peso” ao longo do ano, como os SUVs Fiat Pulse, Toyota Corolla Cross, Jeep...

Juliette vira personagem de jogo online desenvolvido por estudante paraibano

“Tenho trabalhado cerca de 6 horas por dia no jogo, todos os dias. Criando o conceito, desenhos, animações, programação e gravando, editando pra postar no Instagram. [Na vida real] é lógico que ela vai sair campeã da casa, a quantidade de cactos [apelido dos fãs da participante] só vai aumentar e ela vai continuar sendo o fenômeno que é, mesmo após o fim do programa”, explica o estudante. 
#PUBLICIDADE#

ACHAMOS QUE VOCÊ VAI GOSTAR

#PUBLICIDADE#