22.1 C
João Pessoa
18.9 C
Campina Grande
11.5 C
Brasília

PSDB realiza prévias neste domingo, vencedor terá de lidar com fissuras e bolsonarismo

Após campanha interna marcada por denúncias e ataques, partido escolhe seu candidato à Presidência da República

SÃO PAULO — O PSDB coloca o seu futuro político em jogo nas prévias presidenciais que serão realizadas hoje. O vencedor entre os candidatos João Doria, governador de São Paulo; Eduardo Leite, governador do Rio Grande do Sul; e Arthur Virgílio, ex-prefeito de Manaus, terá o desafio de unir o partido em meio a uma série de fissuras deixadas pela disputa e dar uma cara nova à sigla, cujo protagonismo nacional ao vencer duas eleições presidenciais ficou no passado e hoje tem alas que flertam com o bolsonarismo. Além disso, o escolhido tucano terá a missão de convencer uma parte dos parlamentares, que sequer querem candidato a presidente.

Tucanos experientes reconhecem que o partido vive um cenário de vácuo de lideranças, além de desconexão entre o comando nacional e a bancada no Congresso — a maioria dos parlamentares é contemplada pelas emendas do orçamento secreto, como admitiu o presidente do partido, Bruno Araújo, em entrevista ao GLOBO na última sexta-feira. Essas lideranças esperam que as prévias abram um novo ciclo para o partido, a partir da participação de 44,7 mil filiados na escolha do candidato da legenda.

Leia Também

A disputa foi marcada por denúncias de fraudes, uso de verba pública como moeda de troca por apoio e até ataques abaixo da linha da cintura. Especialistas avaliam que a agressividade da campanha coloca em dúvida a possibilidade de união da sigla, e ainda veem uma dose de fragilidade para a construção de alianças para a terceira via em meio a uma provável entrada do ex-juiz Sergio Moro na corrida eleitoral. Doria e Leite patinam nas pesquisas de intenção de voto e, por enquanto, estão próximos do piso de Geraldo Alckmin nas eleições de 2018, que teve 4,7% dos votos, o pior desempenho da história da sigla.

— Unir o PSDB é um trabalho de Hércules. As prévias foram longe demais e se passou do ponto na guerra interna. O candidato derrotado terá dificuldade de pedir voto para aquele que acusou de mentir e fraudar o resultado — afirma o cientista político Claudio Couto, da FGV. — Embora Moro tenha rejeição, seu piso é maior que o dos tucanos. Já o Doria tem uma rejeição altíssima, enquanto Leite precisa se fazer conhecido.

Na visão de Marco Antônio Teixeira, professor de ciência política da FGV de São Paulo, o vencedor das prévias terá que dialogar internamente e fazer concessões tanto para conter debandadas, quanto para evitar que setores do partido façam campanha para o presidente Jair Bolsonaro em 2022.

No partido, a expectativa é que com uma eventual vitória de Doria, o ex-governador Geraldo Alckmin, hoje rival do paulista, seja o primeiro a sair. Há incerteza também sobre a permanência do deputado mineiro Aécio Neves, desafeto de Doria. Caso Leite seja o escolhido dos tucanos, não está descartada uma saída de Doria para concorrer ao Palácio do Planalto por outra sigla, embora o paulista negue essa possibilidade.

— O cálculo eleitoral vai empurrar todos para um acordo. Se Doria vencer, terá que fazer uma concessão a Aécio para conseguir fazer a campanha deslanchar em Minas Gerais, estado fundamental para ganhar a eleição. Já Leite também precisará chegar a um acordo com Doria e precisará do apoio de São Paulo — diz Teixeira.

Internamente, uma das medidas administrativas defendidas para contribuir com a unidade seria o candidato escolhido agregar parte da equipe derrotada em sua campanha e estabelecer um comando inclusivo, com espaço para segmentos diversos do partido.

O GLOBO

#PUBLICIDADE#

Mais Lidas

DO SERTÃO AO LITORAL: A agenda de shows do São João 2022 nos municípios da Paraíba

Depois de dois anos sem os grandes eventos públicos de São João, a Paraíba se prepara para dançar muito...

DATAVOX: João Azevêdo lidera com 40,7% das intenções de voto na 1ª pesquisa para governo da PB em 2022

Realizada em parceria entre o Instituto Datavox e o portal PB Agora, a pesquisa aponta o deputado federal Pedro Cunha Lima (PSDB) em segundo lugar, com 14,2%. Em seguida vem o senador Veneziano Vital (MDB), com 6,6%, o ex-prefeito de João Pessoa, Luciano Cartaxo (PT) com 5,9%, Nilvan Ferreira (PTB) com 3,2% e a vice-governadora do estado, Lígia Feliciano (PDT) com 1%. Indecisos somam 20,3%, enquanto brancos e nulos representam 8,1%.

ENQUETE F5: Se as eleições fossem hoje Pedro Cunha Lima seria o novo governador da Paraíba

O programa F5 da Rádio POP FM realizou uma enquete com os ouvintes e expectadores que acompanharam a transmissão pelo YouTube da edição desta...

São João de Campina Grande: veja as atrações que se apresentam hoje no Parque do Povo

Felipe Araújo, Ton Oliveira, Fabrício Rodrigues e Diego Santana, estarão no palco principal do Parque do Povo na noite deste sábado em Campina Grande....

SALÁRIO: Prefeitura de João Pessoa antecipa pagamento de junho e anuncia aumento de 10 %

O prefeito Cícero Lucena anunciou, nesta segunda-feira (20), o reajuste linear de 10% para todos os servidores do Município de João Pessoa (exceto àquelas...
#PUBLICIDADE#

ACHAMOS QUE VOCÊ VAI GOSTAR

#PUBLICIDADE#