João Pessoa 23.13ºC
Campina Grande 21.9ºC
Patos 23.26ºC
IBOVESPA 124305.57
Euro 5.6025
Dólar 5.1645
Peso 0.0058
Yuan 0.7135
PT e PDT acionam TSE contra Bolsonaro por abuso de poder político e econômico no 7 de Setembro
08/09/2022 / 15:02
Compartilhe:

O Partido Democrático Trabalhista (PDT) ajuizou nesta quinta-feira (8) uma ação de investigação judicial eleitoral contra o presidente Jair Bolsonaro (PL) no Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

Além de requerer a inelegibilidade de Bolsonaro, o partido quer que o mandatário seja investigado por abuso de poder político e econômico nos atos do 7 de Setembro em Brasília e no Rio de Janeiro.

O argumento da legenda é que, se valendo de sua condição de presidente da República, Bolsonaro aproveitou a superestrutura do desfile de Independência, custeado com dinheiro público, para promover sua imagem perante os eleitores com o objetivo de desequilibrar a disputa na qual busca a reeleição, em ofensa às regras eleitorais.

“O senhor Jair Messias Bolsonaro, valendo-se de sua condição funcional, aproveitou-se de toda a superestrutura do evento cívico do Bicentenário da Independência do Brasil – custeado com o erário público (R$ 3.380.000,00 – três milhões, trezentos e oitenta mil reais), especificamente para promover a sua imagem perante os eleitores, em total alvedrio às regras eleitorais e com o claro viés de desequilibrar o pleito, haja vista que está se valendo do uso da máquina pública”, alega o PDT.

Ainda nesta quinta-feira (8), o Partido dos Trabalhadores (PT) também deve entrar com uma ação no TSE por abuso de poder político e econômico por parte de Bolsonaro durante os eventos.

A avaliação da coligação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) é de que Bolsonaro usou um evento oficial para discursar como candidato. “Há abuso de poder econômico e político acachapante, com o uso de recursos públicos, de uma grande estrutura pública, para fazer campanha. Os discursos desse comício escancarado foram transmitidos ao vivo para toda a nação, inclusive por meio da TV Brasil, uma TV estatal”, afirmaram os advogados Eugênio Aragão e Cristiano Zanin, coordenadores da equipe jurídica de Lula.