João Pessoa 22.13ºC
Campina Grande 20.9ºC
Patos 20.96ºC
IBOVESPA 128293.61
Euro 5.8516
Dólar 5.4398
Peso 0.0059
Yuan 0.7488
Quadrilha acusada de desviar recursos públicos destinados ao Hospital de Clínicas é alvo de operação da PF
24/11/2023 / 07:52
Compartilhe:

A Polícia Federal, em conjunto com o Ministério Público Federal e a Controladoria Geral da União, deflagrou nesta sexta-feira (24/11) a “Operação Marasmo” com o objetivo de combater um esquema de desvio de recursos públicos da saúde envolvendo dispensas indevidas de licitação, além de pagamentos sem cobertura contratual.

Essas contratações tinham como objeto a aquisição de alimentos para suprir as necessidades de um hospital da rede pública em Campina Grande, na Paraíba. De acordo com a PF, as irregularidades vinham ocorrendo desde 2022 “até atualmente”.

A 4ª Vara Federal determinou o bloqueio de R$ 3.262.998,00 (três milhões duzentos e sessenta e dois reais e novecentos e noventa e oito reais) em bens dos investigados, a fim de buscar a mitigação dos prejuízos causados aos cofres públicos.

Foram cumpridos oito mandados de busca e apreensão no município de Campina Grande.

A investigação teve início com a análise de contratações realizadas pelo Hospital de Clínicas de Campina Grande (HCCG), tendo por objeto a aquisição de refeições prontas, destinadas a funcionários e pacientes, no valor de R$ 8.695.306,61, pagos com recursos do Sistema Único de Saúde (SUS).

Segundo a Polícia Federal, foi constatado que os responsáveis pelos desvios não realizaram a licitação, mas fizeram contratações diretas, por meio de dispensas de licitação e termos de ajuste de contas (pagamentos sem cobertura contratual), com favorecimento de empresa e preços acima dos praticados em procedimento licitatório realizado para objeto semelhante.

O nome da operação é uma alusão ao estado patológico de atrofia progressiva dos órgãos e magreza excessiva que se sucedem a uma longa enfermidade, bem como à morosidade na condução do procedimento licitatório que deveria ter sido realizado e cuja pendência foi utilizada como justificativa para as contratações diretas.

Polícia Federal cumpre oito mandados de busca e apreensão em CG no âmbito da operação “Marasmo”