João Pessoa 29.13ºC
Campina Grande 26.9ºC
Patos 32.3ºC
IBOVESPA 119834.34
Euro 5.8317
Dólar 5.3813
Peso 0.006
Yuan 0.7433
TJPB nega pedido para anular processo sobre desvio no Hospital Padre Zé
06/11/2023 / 13:17
Compartilhe:

O desembargador Ricardo Vital de Almeida, do Tribunal de Justiça da Paraíba, rejeitou, nesta segunda-feira (06), o pedido da defesa do Padre Egídio Carvalho para tentar anular as investigações sobre a suspeita de desvios no Hospital Padre Zé, em João Pessoa.

Padre Egídio Carvalho Neto, principal alvo da Operação Indignus, é suspeito de desviar mais de R$ 13 milhões solicitados por meio de empréstimos junto ao Banco Santander e a Caixa Econômica em nome da instituição durante a sua gestão.

No mês passado, o Grupo de Atuação Especial Contra o Crime Organizado (Gaeco) cumpriu mandados em imóveis de luxo de propriedade do padre. Os crimes vêm sendo investigados desde setembro quando se tornou público o escândalo envolvendo a venda de telefones doados pela Receita Federal. O lucro com a venda, ao invés de serem revertidos para obra, foi parar em contas de terceiros.

O que diz a investigação

A investigação que embasou a Operação Indignus mostra que o Padre Egídio Carvalho, ex-diretor do Hospital Padre Zé, em João Pessoa, é o verdadeiro proprietário de imóveis de luxo. A suspeita é que Carvalho seja dono de 10 apartamentos, alguns considerados de elevadíssimo alto padrão.

Segundo apurou a reportagem do Portal MaisPB, a Força-Tarefa liderada pelo Ministério Público da Paraíba aponta para uma confusão patrimonial entre os bens e valores de propriedade das referidas pessoas jurídicas com o religioso.

Foi constatada uma considerável relação de imóveis atribuídos, aparentemente sem forma lícita de custeio, quase todos de elevado padrão, adornados e reformados com produtos de excelentes marcas de valores agregados altos.

As primeiras provas apontam possíveis desvios de recursos públicos destinados a fins específicos, por meio da falsificação de documentos e pagamento de propinas a funcionários vinculados às referidas entidades.

As condutas indicam aprática, em princípio, dos delitos de organização criminosa, lavagem de capitais, peculato e falsificação de documentos públicos e privados.

 

F5online com informações do MAISPB