João Pessoa 22.13ºC
Campina Grande 19.9ºC
Patos 19.62ºC
IBOVESPA 119137.86
Euro 5.7331
Dólar 5.4201
Peso 0.006
Yuan 0.747
Três pessoas seguem em estado grave após colisão entre van e caminhão na BR-230; diretor do Trauma reforça uso do cinto
18/07/2023 / 12:57
Compartilhe:

Das 14 pessoas feridas em um acidente de trânsito registrado na altura do município de Gurinhém, na Paraíba, quatro seguem internados no Hospital de Emergência e Trauma Senador Humberto Lucena, em João Pessoa. Três delas estão na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) em estado grave, além de mulher em estado estável, conforme atualização no início da tarde desta terça-feira (18). Ainda ontem, 10 pacientes tiveram alta após algumas horas de observação.

Cerca de 10 ambulâncias do Corpo de Bombeiros e do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu-192) participaram da operação de resgate que encaminhou os feridos para a capital. As vítimas vinham de Conceição, no Sertão, em uma van da prefeitura municipal com direção a João Pessoa para realização de procedimentos médicos. O veículo se chocou com um caminhão baú e saiu da pista no km 92 da BR-230, sentido decrescente da via, na rodovia entre Campina Grande e João Pessoa.

Laércio Bragante, diretor do Hospital de Trauma de João Pessoa, informou que entre os três pacientes que ainda estão na UTI, um é o condutor da van que “passou por um procedimento de neurocirurgia, mas tá estável, consciente, orientado. Os outros dois que são mais graves, um deles com trauma craniano importante passou pelo procedimento de neurocirurgia, se encontra sedado, respirando com ajuda de aparelhos. Um outro jovem de 35 anos passou por uma cirurgia abdominal e cirurgia torácica, também se encontra na UTI sob efeito de sedativos respirando com a ajuda de aparelhos”.

O médico tranquilizou a família dos pacientes pela evolução “progressivamente satisfatória” e alertou para a importância da utilização dos equipamentos de proteção durante viagens, como o cinto de segurança. “Especialmente o de três pontas, reduz muito a gravidade dos acidentes”, reforçou.