25.1 C
João Pessoa
23.9 C
Campina Grande
9.5 C
Brasília

UFPB obtém patente de membrana medicinal para tratamento de lesões

Invenção tem efeito antimicrobiano, anti-inflamatório e cicatrizante

A Universidade Federal da Paraíba (UFPB) obteve a carta-patente para uma membrana medicinal com ação antimicrobiana, anti-inflamatória e cicatrizante. O documento, que garante os direitos de propriedade sobre a tecnologia, foi concedido neste mês pelo Instituto Nacional de Propriedade Intelectual (Inpi).

A membrana, produzida a partir do polissacarídeo quitosana – presente no exoesqueleto de crustáceos como o caranguejo e o siri – com adição de óleo essencial extraído da planta Lippia sidoides (alecrim-pimenta), foi desenvolvida por pesquisadores do Departamento de Odontologia, do Centro de Ciências da Saúde (CCS); do Hospital Universitário Lauro Wanderley (HULW/UFPB) e da Universidade Federal de Campina Grande (UFCG).

Leia Também

Um dos inventores, o professor do Departamento de Clínica e Odontologia Social da UFPB, Fábio Sampaio, explica que a inovação da pesquisa realizada foi a incorporação do óleo essencial à membrana de quitosana, que já era utilizada de forma medicinal.

De acordo com o pesquisador, o invento – uma espécie de bandagem –, em princípio, deve ficar restrito ao uso clínico por profissionais da Odontologia, para tratamento de aftas, lesões de gengiva e lesões traumáticas da cavidade intrabucal, acelerando a cicatrização. “É um material superversátil e, mais adiante, após novos estudos e testes clínicos, pode ser utilizado para outras lesões de pele”, destacou Fábio.

O projeto de desenvolvimento da membrana foi resultado da pesquisa de mestrado da então aluna do Programa de Pós-Graduação em Odontologia da UFPB, Isabella Barros. A pesquisa contou com a colaboração do Núcleo de Estudos e Pesquisas Interdisciplinares em Biomateriais (Nepibio), do Centro de Ciências da Saúde (CCS).

O pedido de depósito da patente foi realizado no final de 2016, junto à Agência UFPB de Inovação Tecnológica (Inova), e envolve outros cinco inventores, além de Fábio Sampaio e Isabella Barros: Raimundo de Menezes, do Centro de Energias Alternativas Renováveis (CEAR/UFPB), Jocianelle Fernandes (HULW/UFPB), além dos pesquisadores da UFCG Marcus Vinícius Fook, Rosemberg Barbosa e Alessandra Estevam.

Patentes na UFPB – A carta-patente da membrana para tratamento de lesões foi a primeira concedida à UFPB neste ano. Em 2020, foram duas novas concessões de patente, uma para um remédio antibacteriano (patente BR10201303) e outra para um processo de produção de ésteres graxos (patente BR102012017025-6).

De acordo com o ranking dos maiores depositantes residentes no Brasil em 2019, divulgado em setembro de 2020 pelo Inpi, a UFPB manteve a liderança em depósito de patentes no país, com 100 pedidos, seguida pela Universidade Federal de Campina Grande (UFCG), com 94 solicitações. As duas instituições paraibanas também lideraram o ranking em 2018, com 90 registros feitos pela UFPB e 82 pela UFCG.

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

#PUBLICIDADE#

Mais Lidas

15 possíveis temas de redação para o Enem 2022

O Portal Nacional da Educação divulgou uma lista com os possíveis temas de redação para as provas do Exame...

DATAVOX: João Azevêdo lidera com 40,7% das intenções de voto na 1ª pesquisa para governo da PB em 2022

Realizada em parceria entre o Instituto Datavox e o portal PB Agora, a pesquisa aponta o deputado federal Pedro Cunha Lima (PSDB) em segundo lugar, com 14,2%. Em seguida vem o senador Veneziano Vital (MDB), com 6,6%, o ex-prefeito de João Pessoa, Luciano Cartaxo (PT) com 5,9%, Nilvan Ferreira (PTB) com 3,2% e a vice-governadora do estado, Lígia Feliciano (PDT) com 1%. Indecisos somam 20,3%, enquanto brancos e nulos representam 8,1%.

Vídeo: Presidente da Assembleia de Deus em Campina Grande chama fiéis de “lixo”

Mulheres cristãs que usam brinco e calças apertadas são um "lixo", pelo menos na visão do pastor e presidente da Assembleia de Deus em...

Juliette vira personagem de jogo online desenvolvido por estudante paraibano

“Tenho trabalhado cerca de 6 horas por dia no jogo, todos os dias. Criando o conceito, desenhos, animações, programação e gravando, editando pra postar no Instagram. [Na vida real] é lógico que ela vai sair campeã da casa, a quantidade de cactos [apelido dos fãs da participante] só vai aumentar e ela vai continuar sendo o fenômeno que é, mesmo após o fim do programa”, explica o estudante. 

Pastor da primeira-dama Michelle Bolsonaro declara apoio a Sérgio Queiroz

O pré-candidato ao Senado pelo PRTB, Sérgio Queiroz, recebeu mais um apoio nacional. O pastor da primeira dama do Brasil, Michelle Bolsonaro, Josué Valandro...
#PUBLICIDADE#

ACHAMOS QUE VOCÊ VAI GOSTAR

#PUBLICIDADE#