João Pessoa 22.13ºC
Campina Grande 20.9ºC
Patos 23.79ºC
IBOVESPA 120261.34
Euro 5.8245
Dólar 5.4232
Peso 0.006
Yuan 0.747
(VÍDEO) No F5 | Famílias deixam de ter desconto de até 65% na conta de luz por não se inscreverem na Tarifa Social
27/07/2023 / 16:09
Compartilhe:

Mais de 365 mil famílias que podem receber o desconto de até 65% na fatura de energia elétrica não usufruem do benefício. Foi o que explicou o gerente de serviços comerciais da Energisa Paraíba, Danillo Lelis, em entrevista ao programa F5, na rádio Pop FM, desta quinta-feira (27).

Os usuários inscritos no CadÚnico para programas sociais do Governo Federal são contemplados e, desde o ano passado, o cadastro no Tarifa Social passou a ser feito automaticamente. No entanto, “o principal problema é quando o benefício está no nome de uma pessoa e a conta de luz no nome de outra. Então, esse cliente só precisa informar que, naquele imóvel, tem um beneficiário do programa social”, explicou Danillo Lelis.

Na Paraíba, João Pessoa, Campina Grande e Bayeux lideram o ranking de cidades com o maior número de famílias com direito à Tarifa Social na conta de energia, mas ainda não recebem o desconto na fatura. O gerente esclarece que, nesses casos, o cliente deve procurar a distribuidora e que a atualização pode ser feita em qualquer canal de atendimento da Energisa e não precisa trocar a titularidade da unidade consumidora.

Quem tem direito à Tarifa Social

Os beneficiários precisam atender alguns critérios definidos pelo governo, são eles:

  • Famílias indígenas ou quilombolas;
  • Inscritos no Cadastro Único (cadÚnico) para programas sociais do governo federal com renda mensal menor ou igual a meio salário-mínimo por pessoa;
  • Inscritos no cadÚnico com renda de até três salários-mínimos e que sejam portadores de doenças ou deficiência que necessite de tratamento continuado usando aparelhos que demandem do uso de energia elétrica;
  • Famílias inscritas no Benefício de Prestação Continuada da Assistência Social (BPC), ou seja, idosos com idade de 65 anos ou mais e deficientes, cuja renda mensal familiar per capita seja inferior a ¼ do salário-mínimo. 
  • O benefício é progressivo. Ou seja, depende do consumo de cada cliente.

Assista:

 Veja a entrevista completa no canal do F5 no YouTube: